Fotografia: Arquivo DM
Livro de D. Francisco destaca presença de Maria na História

O livro “Nossa Senhora e a História de Portugal – Alianças com Santa Maria” é apresentado amanhã, Dia da Imaculada Conceição, na Cripta do Sameiro.

Redação
7 Dez 2017

O ato realiza-se pelas 17h30, depois da eucaristia das 16h30, estando a apresentação da obra a cargo do Cónego José Paulo Abreu na sua qualidade de Professor de História da Igreja.

Este novo livro de D. Francisco Senra Coelho, editado pela Paulus, foi elaborado a partir da experiência e diálogo do autor com inúmeras pessoas ao longo do percurso que foi fazendo em localidades  como Évora, Vila Viçosa, Coruche, Braga, Barcelos, Fafe e outras, e também de artigos que escreveu para o Diário do Minho ou reproduzidos no semanário “A Defesa” e na “Família Cristã”.

«Não foi escrito num laboratório de mariologia e de história da Igreja, mas foi escrito com o povo com quem eu ia falando. E fui juntando conferências, algumas feitas monograficamente, como a de Nossa Senhora e a Nacionalidade de Portugal, ou a importância de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa. Não digo que seja uma manta de retalhos, é um conjunto de vivências compartilhadas», conta D. Francisco Senra Coelho numa entrevista publicada no site da Arquidiocese de Braga (http://www.diocese-braga.pt).

Em vez de ser um livro feito a partir do autor, é um livro que surge das «necessidades das pessoas» com quem o prelado trabalhou e contactou seja como professor de História muitos anos em Évora, seja agora como professor de História da Igreja Medieval Moderna, na Faculdade de Teológia de Braga da Universidade Católica Portuguesa.

«Em várias localidades do Sul e daqui do Norte o tema Nossa Senhora e a História foi aparecendo e eu percebi que, de facto, na génese e no ADN cristão há uma grande relação com Maria no contexto da Igreja portuguesa, muito especialmente logo no início da nacionalidade», salienta.

Segundo D. Francisco Senra Coelho, esta obra  recorda «a origem da nossa independência e da nossa liberdade como povo» e, ao mesmo tempo , «a beleza de Nossa Senhora».

«Não tem novidades científicas, fruto de novos documentos encontrados, mas tem um novo olhar interpretativo, que nos pode ajudar a reanimar a Esperança que a contínua presença de Maria na nossa História traz ao nosso presente: não estamos sós. “Temos Mãe!”. Lembra sempre esta dimensão humanista e este sentido de maternidade para com todos os que se abrigam, todos os que batem à porta, todos os que precisam de acolhimento», refere.

Todo o caminho deste livro, acrescenta D. Francisco Senra Coelho, assenta no povo, complementando um outro livro que publicou há uns anos sobre a religiosidade popular.




Notícias relacionadas


Scroll Up