Espaço do Diário do Minho

Que expetativas para o próximo Natal?
4 Dez 2017
António Sílvio Couto

De 3 a 24 de dezembro decorre o tempo litúrgico do Advento, isto é, a preparação mais próxima para o Natal. Neste celebramos – no hemisfério norte em contexto de inverno – o nascimento de Jesus Cristo, há mais de vinte e um séculos.

Ora, este tempo do Advento inclui quatro domingos e, na maior parte das vezes, o ritmo doutras tantas semanas. Não é isso que temos este ano, pois o quarto domingo celebra-se a 24 de dezembro e, nessa mesma noite, já temos a designada ‘missa do galo’; por isso, será muito curto o espaço e a oportunidade de vivermos condignamente essa tal ‘semana’, que não passa dumas breves horas…

Tanto quanto é percetível o Natal ainda apresenta alguns resquícios de cristandade, isto é, daquele ambiente em que todos – ou uma grande parte – era cristã, senão no conteúdo ao menos na forma e se ia (vai) usufruindo dos benefícios gerais (feriados, festas, prendas/presentes, convívios, augúrios, etc.), embora sem compromisso no particular… Mas será que, no ritmo deste ciclo da vida, ainda pode haver mais do que rotina e tradição – essa que pode até esconder ignorância e má-fé – na preparação e na vivência do Natal deste ano? Teremos de repetir algo de nostálgico ou de fazer algo sem sabor ou novidade?

Porque o Natal deste ano pode ser o último da nossa vida – alguém pode afiançar que não é? – talvez devamos pessoal, familiar, social e eclesialmente vivê-lo com outra, nova e única intensidade. Poderá acontecer que nos venham à memória os que, da nossa família humana, psicológica ou da fé, já não vivem o Natal de forma visível. Talvez esses dias possam ser mais duros e sensíveis… Enquanto isso poderemos ver tantos para quem essa data não passa disso mesmo, uma data onde O festejado é esquecido e as honrarias são mais interesseiras e humanas do que seria desejável.

Há condimentos da nossa cultura cristã que nos podem ajudar a viver com expetativa este Advento. Temos vindo a perceber que no sul da Europa – mais dinamizado pela primavera e a Páscoa – têm estado a ser introduzidos aspetos muito realçados nos países do norte do continente: enfeites alusivos à natureza, velas e luzes, ‘coroa do Advento’… e tantos outros aspetos de quem privilegia a preparação e vivência do Natal em contexto mais fechado em casa e não tanto na rua, como nos países latinos… Tanto quanto é percetível, as imitações não nos têm (aos latinos) tornado mais trabalhadores, tão pouco mais fraternos e ainda mais cristãos…pelo contrário!

= Uma sugestão de itinerário: ‘família, santuário da vida em Jesus’

Atendendo à necessidade de configurar a nossa vivência do Advento à volta dum tema, na paróquia da Moita, diocese de Setúbal, propusemos um itinerário, tendo em conta o biénio diocesano da família, onde a palavra ‘vida’ está em destaque, numa proposta progressiva em cada semana. A partir de ‘vida’ enquadramos um ritmo…em que cada letra da palavra nos aponta um aspeto concreto e simples: vamos irmãos dar alegria… Isso desdobra-se em subtemas: vigiar sobre a vida (1.ª semana); conduzidos na vida (2.ª semana); acolhendo a vida (3.ª semana); celebrar a Vida (4.º domingo)…chamando a participar em cada domingo para setores diferentes da família, respetivamente, avós, pais, mães (bênção das grávidas) e filhos/irmãos.

A assunção da ‘coroa de Advento’ em família poderá proporcionar um tempo de oração – mesmo (ou sobretudo) à volta da mesa – da família em cada domingo, sendo sugerida uma breve oração de bênção dessa vela que há de estar presente cada vez que a família se reúne ao redor do mesmo pão…

Se bem que as diversas editoras católicas nos vão seduzindo com as suas propostas, torna-se mais apropriado que cada diocese ou paróquia – tudo dependerá do âmbito onde nos possamos inserir/comprometer – faça a sua sugestão de caminhada, sem nos deixarmos enlear por algum ‘fast food’ religioso um tanto envernizado por laivos de ‘new age’, isto é, lindos e atraentes, cativantes e perfumados, de muito teor social, dum tanto registo light e de algo anódino quanto baste…sem Cristo, claramente!

Em jeito de rodapé: o que mais custa ver e até aceitar é o razoável número de cristãos (ditos) praticantes que, nesta época de Natal, se comporta com critérios neopagãos, ficando mais nas coisas materiais do que na vivência d’Aquele que festejamos… Isto para além da ausência das celebrações comunitárias mais básicas!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 24 Set 2018

Recordo que um dos quatro parâmetros das notas de comportamento – estávamos em finais da década de 60 do século passado – era o da “civilidade”. Para quem era quase criança essa palavra soava a esquisita. Com o tempo e as lições de educação recebidas fui-me percebendo que civilidade vinha de “civitas”, que tem a […]

António Sílvio Couto - 17 Set 2018

Desde tempos imemoriais que o ritmo da festa foi essencial para a vida dos povos. Estes muitas vezes contam o seu ‘tempo’ pela data da ‘sua’ festa – religiosa ou não – valendo, nalguns casos, muito para além das outras grandes (páscoa e natal) comuns, mas essas são de todos… De facto, a festa de […]

António Sílvio Couto - 10 Set 2018

Decorreu por estes dias, em Fátima, o nono simpósio do clero de Portugal, sob o tema – ‘o padre, ministro e testemunha da alegria do Evangelho’. Mais de quatro centenas de clérigos (bispos, padres e diáconos) de todas as dioceses portuguesas viveram em ambiente de partilha, de comunhão e de convivência entre as várias gerações […]


Scroll Up