Espaço do Diário do Minho

Propostas para uma dinâmica paroquial
27 Nov 2017
António Sílvio Couto

Dando cumprimento a um desejo e necessidade de reflexão cerca de duzentas pessoas da paróquia da Moita retiraram-se para Vila Viçosa, no passado dia 19, em ordem a aprofundar os resultados dum inquérito recentemente feito nas missas paroquiais e a refletir sobre que paróquia pretendem ser no futuro próximo.

Centrar a nossa atenção em quatro caraterísticas principais que serviram de pistas de reflexão. O ponto de partida para o que aqui vamos sintetizar são as conclusões dum livro publicado, em setembro do ano passado, nos EUA – ‘Grandes paróquias católicas’ – onde se apresentam essas caraterísticas lá verificadas, e aqui são colhidas como desafios e incentivos a melhorar:

* Liderança – mais do que uma liderança centrada numa pessoa, prefere-se a liderança partilhada, isto é, onde se possa verificar a dimensão comunitária, com a intervenção estruturada e coordenada de leigos e onde os dons e carismas de cada um possam ser postos ao serviço dos outros.

Não será só tolerável que os leigos sejam chamados a participar nas tarefas das paróquias, tendo como atenuante a diminuição de clero… como parece verificar-se em tantos lugares. Os leigos são parte integrante das nossas paróquias, continuar a menorizá-los será, além de negligência, uma espécie de pecado grave contra o corpo da Igreja católica. E nem os diáconos permanentes ocupam o seu lugar!

Claro que temos um razoável caminho a percorrer, mas temos de dar os primeiros passos e de criar mais inquietações. O ‘termos padre’, como dizia alguém numa das avaliações, é bom e fundamental, mas tem de tornar-se mais consciente pela ajuda de todos…de forma ativa e não na conjuntura de tolerância.

* Crescimento espiritual – é fundamental que as pessoas sejam educadas na capacidade de alegrar-se com o crescimento e a valorização dos outros, tendo em conta a dinâmica do sentido de pertença e do discipulado. Para que tal possa acontecer de forma sistemática e comprometida será preciso estar atento e participativo nos momentos de formação propostos pela diocese, a paróquia e mesmo os movimentos.

Por vezes torna-se confrangedor ver como tantos dos paroquianos se limitam à missa dominical, desaproveitando outros momentos, tanto de âmbito querigmático como catequético. A formação na linha bíblica é de grande utilidade, seguindo, em muitos casos, a dinâmica da ‘lectio divina’, que tem vindo a ganhar importância na caminhada de muitos católicos.

* Liturgia – como grande espaço de participação, a liturgia não pode continuar a ser usada de modo intermitente, como acontece em tantos casos dos nossos ‘praticantes’, mas será pela presença, a participação e o compromisso nas celebrações que as próprias paróquias se hão de renovar.

Aquilo que o autor americano citado chamava de ‘liturgia vibrante’ não pode ser reduzido a uns ritmos mais ou menos importados doutras realidades que não as da igreja, mas deverá alicerçar-se no acolhimento, na atenção e no cuidado para com os fragilizados – e são tantos/as – que procuram na liturgia algo que os/as possa serenar e dinamizar a vida quotidiana.

Urge passar dalguma da frieza das relações nas ‘nossas’ missas para a capacidade de acolhimento a cada pessoa, como vemos em certas expressões não-católicas… Assim haja tempo, disponibilidade e carisma!

* Evangelização – mais do que um conceito de circunstância, a cultura tem de ser evangelizada e evangelizadora. Há espaços e lugares que têm de ser fermentados com a presença evangelizadora católica, promovendo iniciativas de âmbito cultural – sem deixarmos que ‘cultura’ seja uma oportunidade só para alguns que rejeitam a fé cristã – como conferências, palestras e colóquios – o ideal seria com um ritmo mensal – envolvendo também pessoas de fora do âmbito eclesial.

A cultura não pode continuar nas mãos ‘só’ das autarquias e dumas associações de tal forma laicas, que só servem para relegar o cristianismo para um certo reduto negligentemente…anódino.

= Estes foram os vetores refletidos… outros poderão ser aprofundados em novas ocasiões!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 14 Jan 2019

Vindo do outro lado do Atlântico chegou à nossa sociedade a discussão do ‘azul e rosa’, isto é, a insistência em conotar com estas cores o sexo das pessoas: azul para rapaz e rosa para rapariga. Numa declaração mais fundamentalista – no correto e essencial significado do termo – das cores do sexo masculino e […]

António Sílvio Couto - 7 Jan 2019

Sob a confluência de diversas tendências vemos que, hoje, se manifestam múltiplas formas de religiosidade individualista, onde cada um se serve do que lhe interessa, desde que se sinta (mais ou menos) bem… e que possa tomar das diferentes expressões religiosas – desde as mais tradicionais até às menos institucionais – o que lhe dá […]

António Sílvio Couto - 31 Dez 2018

Por entre a turbulência de transição de ano (civil) vamo-nos preparando para acolher o novo ano. Através da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz – intitulado: “a boa política ao serviço da paz” – podemos (e devemos) rececionar os desafios ao nosso compromisso de participação nesta tarefa de fazer e de […]


Espaço do Diário do Minho

Propostas para uma dinâmica paroquial
António Sílvio Couto

Dando cumprimento a um desejo e necessidade de reflexão cerca de duzentas pessoas da paróquia da Moita retiraram-se para Vila Viçosa, no passado dia 19, em ordem a aprofundar os resultados dum inquérito recentemente feito nas missas paroquiais e a refletir sobre que paróquia pretendem ser no futuro próximo.

Centrar a nossa atenção em quatro caraterísticas principais que serviram de pistas de reflexão. O ponto de partida para o que aqui vamos sintetizar são as conclusões dum livro publicado, em setembro do ano passado, nos EUA – ‘Grandes paróquias católicas’ – onde se apresentam essas caraterísticas lá verificadas, e aqui são colhidas como desafios e incentivos a melhorar:

* Liderança – mais do que uma liderança centrada numa pessoa, prefere-se a liderança partilhada, isto é, onde se possa verificar a dimensão comunitária, com a intervenção estruturada e coordenada de leigos e onde os dons e carismas de cada um possam ser postos ao serviço dos outros.

Não será só tolerável que os leigos sejam chamados a participar nas tarefas das paróquias, tendo como atenuante a diminuição de clero… como parece verificar-se em tantos lugares. Os leigos são parte integrante das nossas paróquias, continuar a menorizá-los será, além de negligência, uma espécie de pecado grave contra o corpo da Igreja católica. E nem os diáconos permanentes ocupam o seu lugar!

Claro que temos um razoável caminho a percorrer, mas temos de dar os primeiros passos e de criar mais inquietações. O ‘termos padre’, como dizia alguém numa das avaliações, é bom e fundamental, mas tem de tornar-se mais consciente pela ajuda de todos…de forma ativa e não na conjuntura de tolerância.

* Crescimento espiritual – é fundamental que as pessoas sejam educadas na capacidade de alegrar-se com o crescimento e a valorização dos outros, tendo em conta a dinâmica do sentido de pertença e do discipulado. Para que tal possa acontecer de forma sistemática e comprometida será preciso estar atento e participativo nos momentos de formação propostos pela diocese, a paróquia e mesmo os movimentos.

Por vezes torna-se confrangedor ver como tantos dos paroquianos se limitam à missa dominical, desaproveitando outros momentos, tanto de âmbito querigmático como catequético. A formação na linha bíblica é de grande utilidade, seguindo, em muitos casos, a dinâmica da ‘lectio divina’, que tem vindo a ganhar importância na caminhada de muitos católicos.

* Liturgia – como grande espaço de participação, a liturgia não pode continuar a ser usada de modo intermitente, como acontece em tantos casos dos nossos ‘praticantes’, mas será pela presença, a participação e o compromisso nas celebrações que as próprias paróquias se hão de renovar.

Aquilo que o autor americano citado chamava de ‘liturgia vibrante’ não pode ser reduzido a uns ritmos mais ou menos importados doutras realidades que não as da igreja, mas deverá alicerçar-se no acolhimento, na atenção e no cuidado para com os fragilizados – e são tantos/as – que procuram na liturgia algo que os/as possa serenar e dinamizar a vida quotidiana.

Urge passar dalguma da frieza das relações nas ‘nossas’ missas para a capacidade de acolhimento a cada pessoa, como vemos em certas expressões não-católicas… Assim haja tempo, disponibilidade e carisma!

* Evangelização – mais do que um conceito de circunstância, a cultura tem de ser evangelizada e evangelizadora. Há espaços e lugares que têm de ser fermentados com a presença evangelizadora católica, promovendo iniciativas de âmbito cultural – sem deixarmos que ‘cultura’ seja uma oportunidade só para alguns que rejeitam a fé cristã – como conferências, palestras e colóquios – o ideal seria com um ritmo mensal – envolvendo também pessoas de fora do âmbito eclesial.

A cultura não pode continuar nas mãos ‘só’ das autarquias e dumas associações de tal forma laicas, que só servem para relegar o cristianismo para um certo reduto negligentemente…anódino.

= Estes foram os vetores refletidos… outros poderão ser aprofundados em novas ocasiões!



Mais de António Sílvio Couto

António Sílvio Couto - 14 Jan 2019

Vindo do outro lado do Atlântico chegou à nossa sociedade a discussão do ‘azul e rosa’, isto é, a insistência em conotar com estas cores o sexo das pessoas: azul para rapaz e rosa para rapariga. Numa declaração mais fundamentalista – no correto e essencial significado do termo – das cores do sexo masculino e […]

António Sílvio Couto - 7 Jan 2019

Sob a confluência de diversas tendências vemos que, hoje, se manifestam múltiplas formas de religiosidade individualista, onde cada um se serve do que lhe interessa, desde que se sinta (mais ou menos) bem… e que possa tomar das diferentes expressões religiosas – desde as mais tradicionais até às menos institucionais – o que lhe dá […]

António Sílvio Couto - 31 Dez 2018

Por entre a turbulência de transição de ano (civil) vamo-nos preparando para acolher o novo ano. Através da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz – intitulado: “a boa política ao serviço da paz” – podemos (e devemos) rececionar os desafios ao nosso compromisso de participação nesta tarefa de fazer e de […]


Scroll Up