Espaço do Diário do Minho

E quando o fontanário secar, como vai ser?
27 Nov 2017
Albino Gonçalves

Não é por ter chovido nestes últimos dias que o problema hídrico em Portugal está resolvido ou em vias de reposição dos valores de armazenamento nas barragens esvaziadas devido ao longo período de ausência de chuva.

Segundo o IPMA e a Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, o mês de Outubro foi o mais quente nos últimos 87 anos e onde a precipitação atingiu níveis altamente críticos e preocupantes, motivando uma intervenção governamental sobre a política institucional na gestão e triagem da água nas redes de consumo público e empresarial.

Estamos erradamente convencidos de que a água é uma fonte natural infindável, não havendo por isso o cuidado cultural em saber usá-la com disciplina, respeito, rigor e poupança no seu uso, bastando para isso, pequenos gestos individuais quando a utilizamos para diversos fins.

A autarquia bracarense, atempadamente, tomou iniciativas exemplares na redução de caudais da responsabilidade municipal, nomeadamente colocando limitadores temporais nas torneiras de locais públicos, alguma restrição das piscinas e pavilhões supervisionados pela Câmara Municipal de Braga, redução da rega de campos de relvados e zonas verdes, pressupondo-se uma poupança na ordem dos 60% do consumo de água no espaço público, além de uma campanha de sensibilização junto do parque escolar, incentivando os alunos a pouparem a utilização da água e de electricidade.

Há comportamentos que podem ser implementados nos nossos hábitos diários a pensarmos na preservação e bem-estar ambiental, bastando para isso o bom senso no uso dos recursos naturais à nossa disposição, sem desperdício ou irresponsabilidade cívica e inculta quando abusamos daquilo que a “Mãe Natureza” nos oferece de “mão beijada”.

Eis, algumas dicas, contributivas para o uso correto da água à nossa disposição:

Quando tomamos banho, gastamos em média 6 litros de água por minuto e enquanto estamos a ensaboamos o corpo e o cabelo deixamos a torneira aberta, o que é totalmente errado;

Quase não nos apercebemos, mas uma simples lavagem das mãos sem fechar a torneira gere um consumo de 7 litros de água. Quando economizamos, podemos reduzir para metade o consumo deste precioso líquido;

Curioso e surreal, tocante um pouco a todos nós, é a escovagem de dentes com a torneira sempre aberta, calculando-se o uso de 18 litros de água por cada sessão de higiene oral, quando podíamos exercer o mesmo evento disciplinarmente aplicado, por apenas um consumo de 2 litros de água.

A indispensabilidade da cultura educativa e formativa junto das populações é uma ferramenta pedagógica que urge instituir, cabendo a todos com especial relevo para as autarquias, administração pública central, regional e local, órgãos de comunicação social, escolas, ong´s, etc., a serem os principais agentes da mudança dos hábitos do consumo de água desperdiçada, alertando as populações dos altos riscos hídricos, naturais, ambientais, sociais e económicos, se não levarmos a sério os avisos que o planeta com toda a paciência tem desencadeado através destes fenómenos das consequências intrínsecas de seca sentida por todos nós.



Mais de Albino Gonçalves

Albino Gonçalves - 12 Nov 2018

Apesar do Orçamento de Estado para 2019 reforçar o acréscimo de uma verba de 300 milhões, destinados ao Serviço Nacional de Saúde, o volume de problemas que afectam os portugueses permanece interminável e com consequências graves ao ordenamento estrutural da saúde pública em Portugal, adicionado aos conflitos de ordem laboral com uma incessante e maquiavélica […]

Albino Gonçalves - 5 Nov 2018

Foi evento mediático a atribuição da “excelência clínica” ao Hospital de Braga, alcançando o topo das 124 unidades hospitalares, classificadas pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), de acordo com os padrões estipulados nos últimos dados colhidos pelo Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), no período de 26 de julho de 2016 a junho do […]

Albino Gonçalves - 22 Out 2018

As eleições legislativas deviam ter apenas a durabilidade de um ano, para proporcionar ao povo a festança de uma vida mais anímica, abastada, bolsos desafogados e milagrosamente endinheirados. Não comparemos o governo de Pedro Passos Coelho, em plena engenharia de sacar dinheiro aos bolsos portugueses, com a actual governação a prometer o “paraíso” aos portugueses […]


Scroll Up