Espaço do Diário do Minho

Estrupícia discriminação… rosa
2 Out 2017
A. Sílvio Couto

Se tal ideia fosse lançada por outra qualquer força que não do quadro da (dita) esquerda o que teria sido dito e reportado… como retrógrado, fomentador do racismo, sexista e xenófobo… onde as mulheres estariam a ser subalternizadas. Mas como foi atirado para o ar – literalmente como se fosse uma boca, um gracejo ou um piropo, agora já sob a alçada da lei – por uma “intelectual de esquerda” ninguém fala nem ousa contestar… Assim podemos ver – como diz o filósofo “de forma bem vista” – a tal “independência” e os trejeitos da nossa comunicação social: uns são engraçados e outros caem em desgraça… mesmo que tenham razão!

A sugestão tão revolucionária recebeu – apesar de tudo – o rótulo da recuperação do apartheid, de carruagem cor de rosa ou de medida segregadora… E a transferência para Portugal de tiques brasileiros pouco mais deu do que uma nota de rodapé… estrupícia.

É preocupante e confrangedor que, nos tempos mais recentes, se esteja a viver numa assanhada luta ideológica de reversão de questões já resolvidas e culturalmente ultrapassadas pela moderação dos valores concordantes no nosso país. Com algum azedume vemos surgirem ideias de conflitualidade entre setores da sociedade, quando tanto se tinha já percorrido para que a igualdade – sem igualitarismo – entre homens e mulheres continue o seu caminho.

Quiseram introduzir a baralhação do “género” e as coisas começaram a tornar-se acintosas para quem nunca tinha, antes, qualquer problema. Certas mentes andam entretidas em escarafunchar pontos de divergência, quando, antes, tudo estava pacífico e pacificado… até pela consciencialização de séculos de cultura cristã latente ou tácita.

= Uns/umas tantos/as parecem, pelo contrário, revestir a figuração de ‘book rosa’ ou ‘book azul’, senão na prática, ao menos nas ideias. Nesse grande palco da simulação e na assunção de papéis de faz de conta, dá a impressão que se vislumbra uma espécie de ‘boa vida’ sem olhar a meios, desde que possa haver proveito mais ou menos imediato. Em quantos dos casos de exibição na comédia – ou será, antes, drama e tragédia? – da nossa vida pública/política parece que há gente que não olha a meios para atingir os (seus) fins.

Por certo que, quem tenha já percebido o guião, tenderá a fugir das fraldas do palco, de modo a que não seja confundido com os atores que entram e os que saem, embora possam ser os mesmos só trocando de roupagem nos bastidores… Em certas ocasiões – como as de campanha eleitoral – as funções confundem-se e as falas de representação podem deixar de ter nexo, tal é a atrapalhação em querer dizer tanto com tão pouco critério… ajuizado e sensato.

= Há coisas que não têm solução, porque não se aprendem dumas vezes para as outras. Pior: como a qualidade dos intervenientes vai decaindo, até as graçolas dos inteligentes se tornam ridículas, quando referidas pelos incompetentes de serviço… e são tantos/as!

Como dizia, recentemente, o Papa Francisco: é pecado não rezar pelos que nos governam. Sim, para que sejam retos e honestos, verdadeiros e leais, altruístas e inteligentes.

Quando vemos certas reações “democráticas”, se não condizem com as nossas, então estamos condenados à ditadura. Esta tanto pode ser da privação de liberdade como pelo fomento de libertinagem. Ora, desta – a libertinagem – estamos cada vez mais atulhados e quase incapazes de reagir com bom senso e ousadia.

O bom senso há-de-nos fazer aceitar os valores dos outros, respeitando-os. A ousadia dar-nos-á capacidade de não nos acomodarmos ao já feito, mas tentando recriar novas formas de compromisso uns com os outros…sempre em abertura à dimensão divina e sagrada da pessoa humana.



Mais de A. Sílvio Couto

A. Sílvio Couto - 11 Dez 2017

‘Alguns podem criticar-me, porque sou repetitivo nisto, mas para mim é fundamental: o inimigo da harmonia numa comunidade religiosa é o espírito de maledicência’ – disse o Papa Francisco numa das suas últimas intervenções por ocasião da visita apostólica ao Bangladesh. O Papa considerou mesmo que bisbilhotar e falar mal dos outros é como fazer […]

A. Sílvio Couto - 6 Nov 2017

O tema da “violência doméstica” – escrevemos entre aspas porque o assunto nem sempre é linear, objetivo ou claro – volta a estar na ordem do dia. As razões podem ser muitas. As causas as mais diversas. As consequências bastante nefastas. O tema é complexo e suficientemente mobilizador da sociedade. Deve-se tornar, desde logo, claro […]

A. Sílvio Couto - 9 Out 2017

O tema do 52.º Dia Mundial das Comunicações é: “A verdade vos tornará livres (Jo 8,2). Notícias falsas e jornalismo de paz”. Este tema tem algo de atual e deve merecer a nossa atenção – particularmente no rescaldo das eleições autárquicas – e exige-nos um esclarecimento muito preciso e precioso.


Scroll Up