Espaço do Diário do Minho

«Até logo, companheiro!»
8 Set 2017
Damião Pereira

 

 



Mais de Damião Pereira

Damião Pereira - 16 Jan 2020

Passa hoje um ano sobre o falecimento do Sr. Cónego Fernando Monteiro, mas esta é apenas uma data. E digo apenas, porque para nós, colaboradores da Empresa do Diário do Minho, ele somente deixou de «ser visto» quando contornou «a curva da estrada». Busco na memória o poema de Fernando Pessoa e «se escuto, eu […]

Damião Pereira - 15 Abr 2018

É costume deixar-se os agradecimentos para o fim. Hoje, é com eles que começamos. Muito obrigado a todos quantos tornaram possível que chegássemos aos 99 anos. É muito tempo. Uma vida longa, repartida entre a boa e má notícia, entre o receio e o gesto encorajador… Todos, sem exceção, merecem ser lembrados. Uns pelo que […]

Damião Pereira - 10 Set 2017

Ontem, despedimo-nos do José Carlos Lima. A realidade começa agora a tomar conta de nós e as conversas tantas vezes tidas, os momentos de convívio, as gargalhadas sinceras, o seu sorriso nítido, os seus comentários, mas sobretudo o seu talento e disponibilidade vão ocupando a nossa memória.O Jornalista José Carlos Lima – que o Diário do Minho teve o privilégio de ter no seu quadro redatorial ao longo das duas últimas décadas – era o exemplo do que deve ser cada um de nós: um homem íntegro, isento, forte nas suas convicções, um profissional de “mão cheia”, que não sabia lidar com as injustiças e, por isso mesmo, convivia mal com o sofrimento dos outros, a quem tentava dar voz no sentido de reparar o que entendia não estar bem.Da verdade dos factos que contava, fazia valer sempre as suas palavras. Escrevia da forma como via as coisas e era disso que assumia as suas responsabilidades. O resto, a interpretação que cada um fazia dos seus textos – dizia – já não era com ele. Porque ninguém era obrigado a pensar como ele e se limitava a contar a “história” tal como ela era.Já o disse aqui. O Diário do Minho nunca mais será o mesmo sem o José Carlos Lima e o jornalismo também não. A perda é irreparável, porque não foi apenas um profissional da informação que nos deixou… com ele, a verdade e a sinceridade andavam de mãos dadas e caminhavam juntas pela vida.Nesta altura, em que é quase impossível lidar com a realidade, as palavras muitas vezes ditas tornam-se escassas perante tanta incredulidade. O que antes fazia sentido e se encaixava na perfeição é agora ocupado pelo caos que ocupa o nosso pensamento à procura de explicações.Ontem, quando repetimos o seu “até logo, companheiro!”, vimos no rosto de quem esteve presente o carinho que há de perpetuar-se no coração de cada um de nós, onde ocupa um lugar muito especial. Obrigado, José Carlos, por nos deixares ser teus amigos.E aqui, na Redação, onde o nosso olhar se estende pela frieza da sua secretária, agora vazia, e se prepara a edição de amanhã, o silêncio espalha-se em forma de gládio. O espaço físico até poderá vir a ser ocupado. O lugar do José Carlos Lima não!•••Agradecemos, em nome do Diário do Minho, as inúmeras mensagens de condolências recebidas. Não temos palavras para responder a tanta solidariedade demonstrada para com o nosso Jornalista e para com esta Instituição, que sempre teve no José Carlos Lima um dos seus melhores colaboradores.•••Na próxima quinta-feira, dia 14, às 12h00, na Basílica dos Congregados, em Braga, é celebrada uma eucaristia por intenção do nosso colega José Carlos Lima. Agradecemos, desde já, a todos quantos possam comparecer em mais esta sentida homenagem.


Scroll Up