Espaço do Diário do Minho

Será o ensino privado uma excentricidade?
28 Ago 2017
P. Rui Rosas da Silva

De ambos os lados – público e privado – guarda gratas recordações, embora deva confessar que sempre lhe causou um profundo mal-estar a desconfiança, a sobranceria e o desacerto com que as instâncias do ministério do ramo tratavam o ensino privado.

Tanto, quanto me parece, há duas razões fundamentais: uma, a mais importante, o receio de que o ensino privado dê melhor conta de si do que o público. E a outra, que se une muito aos complexos gerados pela primeira, à suposta obrigação de que o ensino público deve ser o motor – quando não único – de toda e escolaridade do país. 

Estas duas razões são uma herança muito forte do regime do “Estado Novo”. O ensino privado era muito vigiado pelo salazarismo. Nunca lhe deu uma liberdade e uma capacidade de resolução dos problemas pedagógicos que lhe permitisse viver com plena autonomia do ensino público. Recordemos, por exemplo, que os graus académicos, desde a primária até ao final do ensino liceal, tinham de ser vistoriados e aprovados pelo ensino público. Os alunos das escolas privadas eram obrigados a fazer os exames das diversas etapas curriculares nas escolas ou liceus do Estado, que os aprovavam ou reprovavam.

Num sistema ditatorial, compreende-se que seja assim, porque tudo o que sai fora da alçada tentacular dos seus próceres, pode ser um perigo para a manutenção da ordem que eles consideram dever existir. E não se diga que a Igreja foi muito beneficiada com este sistema, porque não tinha ajuda económica séria para poder competir, pelo menos nos custos dos estudos dos alunos, com os estabelecimentos públicos – escolas primárias, liceus, escolas técnicas, etc. –, salvo naqueles casos em que numa localidade importante não se tivesse ainda instalado uma escola pública. Certamente que havia aulas de Religião e Moral de orientação católica, mas ai do professor que dissesse, sugerisse ou palmilhasse caminhos distintos daqueles que o Ministério da Educação determinasse…

Esta mentalidade proteccionista, paternalista, ao fim e ao cabo, monopolista das iniciativas, das ideias e dos métodos pedagógicos do ensino continua a ser muito comum na nossa mentalidade. O regime de Salazar acabou, mas deixou estas raízes que germinam e prosseguem na cabeça de muitos portugueses.

Considera-se o ensino público como aquele que deve predominar e abarcar como um polvo monumental toda a escolaridade do país. O privado pode manter-se como um acidente sem relevo e desnecessário, porque é o Estado que tem de ensinar e educar em todos os âmbitos e em todas as matérias. O Ministério da Educação fornece as ideias base do que devem aprender, a forma de pensar e até de comportar-se dos filhos das famílias portuguesas. E se os pais não concordam com elas? Metam os filhos no ensino privado e paguem essa estroinice de meninos ricos.

Ninguém duvida que ao Estado compete promover e garantir aos cidadãos uma educação adequada e digna. Mas que não o faça como os regimes totalitários – assim procederam os de teor marxista ou fascista – cerceando ou até retirando às famílias o direito de educar os filhos de acordo com os seus princípios fundamentais.



Mais de P. Rui Rosas da Silva

P. Rui Rosas da Silva - 15 Jun 2020

Mais uma vez, com a dignidade merecida, a Igreja celebrou a Solenidade do Corpo e Sangue de Jesus. Este evento é muito esclarecedor sobre a delicadeza e a constante preocupação do Amor que Deus nos devota. Delicadeza, porque surge sob uma forma parca e acessível, nada atemorizante e muito humilde, diante dos nossos olhos. É […]

P. Rui Rosas da Silva - 6 Abr 2020

Esta crise da pandemia tem muitos aspectos negativos, sobretudo de carácter económico, para não falarmos já das consequências duras que muitas famílias atravessam. Vêem partir inexoravelmente alguns membros mais idosos, infectados mortalmente pelo maléfico vírus e são obrigadas a um encerramento difícil, que exige de todos os membros uma convivência forçada entre as quatro paredes […]

P. Rui Rosas da Silva - 2 Mar 2020

Na quarta-feira passada (Quarta Feira de Cinzas), começou o tempo litúrgico da Quaresma. A Igreja convida-nos a fazer penitência e oração, não porque no resto do ano estejamos dispensados de rezar e de nos sacrificar, mas porque nestes quarenta dias até à Páscoa, devemos ter uma preocupação efectiva por vivermos com mais generosidade os dois […]


Scroll Up