Fotografia:
Momentos

Muito recentemente o panorama desportivo português viveu momentos únicos, inesquecíveis e inolvidáveis. Naturalmente que não podemos deixar passar em claro a eleição de Cristiano Ronaldo com a atribuição da Bola de Ouro 2013. Cristiano Ronaldo foi nomeado melhor jogador do Mundo pela FIFA, sendo que o capitão da Seleção Nacional conquista a Bola de Ouro à frente de Messi e Ribèry, ganhando, assim, a segunda Bola de Ouro depois do troféu conquistado em 2008. Cristiano Ronaldo recebeu o troféu da FIFA das mãos da “lenda brasileira” Pelé, homenageado momentos antes, pela sua carreira. Para além da alegria fica-nos na retina o momento em que se emocionou ao agradecer o galardão.

Luís Covas
17 Jan 2014

“Não há palavras para descrever este momento” disse Cristiano Ronaldo, seguido atentamente pela mãe, entre a assistência, que aplaudiu e ovacionou o jogador. Com lágrimas de ouro, Cristiano Ronaldo recordou ainda Eusébio e Nelson Mandela, duas pessoas muito importantes para ele. Creio que aquele momento teve um significado muito especial para o atleta português e revelou qual o sentimento que o transportou para as bocas do mundo. Ele é um ganhador e diz-se preparado para vencer novamente. Isto, de facto, revela uma ambição e um querer inimaginável devendo servir de exemplo para todos já que não basta ter talento, é preciso muita determinação e vontade de triunfar.
Outro momento de recordar foi a morte de um dos melhores futebolistas de sempre do futebol português que se chamava Eusébio. Este jogador tornou-se a maior lenda do futebol português, não só ao serviço do Benfica, na década dos anos sessenta, mas também da seleção nacional. O “Pantera Negra”, como era conhecido, teve os seus momentos mais altos no segundo título europeu do Benfica (5-3 ao Real Madrid) e no Mundial de Inglaterra ‘1966, onde foi o melhor marcador. A forma determinada e o espírito de sacrifício com que sempre se entregou à profissão são a “chave” do êxito que teve ao longo de uma carreira recheada com um título europeu de clubes, um terceiro lugar num Mundial e uma série interminável de prémios individuais e muitos golos. Famosas ficaram também as suas arrancadas demolidoras e os “petardos” desferidos de todos os ângulos e a qualquer distância da baliza, que ainda hoje levam muitos a falar de um “pontapé à Eusébio” para “adjetivar” um remate muito forte e colocado. Deve-se referir ainda que Eusébio foi um grande embaixador de Portugal visto que no estrangeiro, muitas vezes, confundiam o nosso país com Eusébio ou Amália Rodrigues (Fadista). O seu desaparecimento levou também a momentos inesquecíveis de dor e reconforto mas demonstrativo da sua importância e qualidades que possuía. Com o tributo que a Federação Portuguesa de Futebol prestou em sua homenagem, com um minuto de silêncio em todos os jogos, creio que se deu um passo importantíssimo para a pacificação do futebol português já que por aquilo que pudemos assistir ao SL Benfica/FC Porto sem qualquer tipo de incidentes e respeito mútuo, entre opositores, foi bonito de se verem dois rivais a lutar pela vitória mas dentro das regras do fair-play. Momentos únicos para recordar!




Notícias relacionadas


Scroll Up