Fotografia:
As redes sociais

As redes sociais são uma “fatia” significativa do tráfego circulante em toda a Internet e de fonia nas redes telefónicas. As redes sociais atingem hoje um dia um pico proeminente na interação comunicativa entre pessoas nunca antes atingido por qualquer outro meio de comunicação usado pelo Ser Humano. O seu contínuo ajustamento às necessidades de comunicação e de aproximação, partilha, discussão, e outros, individual e coletiva, trouxe celeridade ao aclaramento dos saberes desejado em diversas áreas e sobre os mais diversos assuntos do interesse. Assim como ao acesso ao conhecimento de matérias pretendido em todos os domínios. E também na aproximação intercontinental das ocorrências e da sua consequente divulgação.

António Fernandes
12 Jan 2014

Assistimos a ciclos de mudanças com uma celeridade incomparável no tempo, e usamos equipamentos resultado do percurso por etapas daquilo que é justamente considerado como sendo o ajustamento aperfeiçoado destes, aos tempos e às necessidades das pessoas, nas áreas da comodidade proporcionadora da qualidade de vida desejada para um mundo que trazemos em mudança permanente!
Um mundo que desde os primeiros registos da comunicação usada para “leitura” à distância, nomeadamente através de sinais de fumo, rufar de tambores e outros, sempre procurou estabelecer plataformas sociais de comunicação entendíveis e de manuseamento simplificado ao alcance do cidadão comum e de todas as suas vertentes e componentes organizacionais em sociedade – e que hoje em dia se estendem pelo Planeta: a globalização da comunicação. Assente em potentes servidores dispersos e em transporte de sinal elétrico de transmissão diverso também. Desde os sofisticados satélites de comunicações por onde passa a modulação da imagem, voz e som, ao simples premir de uma tecla. “À distância de um clique”, “o mundo gira e avança”! Sem que o utilizador comum se preocupe em questionar todo este processo evolutivo. As suas vantagens e desvantagens sociais. Nomeadamente nas premissas facilitadas e em contraponto ao desemprego gerado. Para além dos efeitos nefastos direta e indiretamente provocados em todos os ecossistemas existentes e de que resultam desequilíbrios vários.
É um processo de lógica racional numa sociedade estruturada para o consumo na sequência de hábitos funcionais adquiridos.
Porque neste âmbito, o uso das tecnologias aligeira os processos e os métodos tendo em vista a rentabilidade, uma vez que o investimento feito na modernização tem intenção exclusivamente financeira para o tecido empresarial. E a comodidade para o consumidor, uma vez que este adquire em função da necessidade que a comodidade desejada origina.
Esta dicotomia, entre o interesse económico e o financeiro, contextualizado no interesse social, acaba por bifurcar no interesse que completa a função da procura e da oferta.
 As redes sociais, a que muitos meios de comunicação social já recorrem para fazer notícia, suportar noticia e buscar e rebuscar origens de notícia… Recorrem, publicitam, promovem o uso, e usam também. Essas redes são hoje um suporte estrutural no relacionamento geral em sociedade a todos os níveis e em todos os domínios.
Facilitam a interação entre as pessoas, sendo que o seu impacto é tanto maior ou menor no combate ao isolamento, ou na necessidade em comunicar, que cada cidadão sente. Independentemente do motivo. Embora seja nas grandes áreas metropolitanas e cosmopolitas que esse isolamento se sente com maior relevância.
A que acresce a confiança geral em algo que se desconhece. Plataformas onde guardamos memórias, fotografias, e outros materiais que entendemos dever guardar. Onde comunicamos através de todos os meios em uso. Onde nos expomos consoante e de acordo com o interlocutor. Onde um simples email resolve. Onde um chat permite o diálogo. Onde dispor de uma página é já uma condição social. Entre muitos outros fatores de relevo que pesam a favor do seu uso e onde não vislumbramos ponderadamente qualquer espécie de perigo para a nossa condição de cidadãos livres, acabando por nos embrenharmos e “navegarmos” sem impor condição e aceitando todas as condições que nos são impostas…




Notícias relacionadas


Scroll Up