Fotografia:
Tenho um sonho…

“T ?¬enho um sonho que, um dia, todos os vales serão elevados, todas as montanhas e encostas serão niveladas, os lugares ásperos serão polidos, e os lugares tortuosos serão endireitados, e a glória do Senhor será revelada, e todos os Seres a verão, conjuntamente.” (M. Luther King, Jr.)Tenho o sonho de que um dia a economia do meu país será estabilizada, libertada da exploração monetária dos credores internacionais. Estou esperançado de que a felicidade virá abraçar mais de um milhão de desempregados numa comunidade tão pequena e que pouco passa dos 10 milhões de habitantes. Estou crente de que os cerca de 200 mil jovens atestadamente qualificados para o empreendimento da mudança e do desenvolvimento de Portugal servirão o nosso país com o seu saber e a sua competência.

Albino Gonçalves
6 Jan 2014

Ainda acredito que os nossos professores vão recuperar a autoestima e a motivação profissional que representam para a sociedade do conhecimento. Estou convencido, embora ainda seja um sonho, que chegará a altura em que os nossos pensionistas e aposentados serão respeitados e reposto o que, abusivamente, os atuais governantes sacam às suas deploráveis comparticipações sociais. Estou com fé que o calvário das preocupações e do desespero da sociedade vai passar a fazer parte do passado, com o aparecimento de gente séria, inovadora, transparente, credível, justa e respeitadora da ética, com sentido de responsabilidade de Estado, pronta a proporcionar aos cidadãos uma vida com dignidade.
Estamos perante uma “monarquia” republicana, com políticos viciados no “ganha-pão” através do dinheiro dos contribuintes. Este país é governado ou gerido sempre pelos mesmos. É verdade que o povo tem a sua quota-parte de responsabilidade na sua eleição. Mas há situações lastimáveis de quem não larga este modelo confortável e fácil de fazer política com a cumplicidade inoperacional e “surdez” do cidadão.
A passagem dos políticos à situação de aposentados, designadamente quando chegam à Presidência da República, devia ser idêntica à de qualquer outro cidadão, e não continuar a ter direito a motorista, secretária, automóvel e outras mordomias suportadas pelos impostos dos cidadãos.
Ana Isabel, uma jovem de 17 anos, plenamente conhecedora do cenário abismático para a sua geração, comentava recentemente que “…todos temos problemas, todos respiramos a custo, comemos dilemas, perdemos o gosto e a confiança…”. O meu sonho prevalece: espero que esta “gente” dê dar lugar a outras pessoas mais capazes, idóneas e com neurónios mais jovens e dilatados. “Vamos ser corajosos! Olhar para dentro. Perceber e aceitar o que temos que mudar! Vamos, cada um por si, encontrar o caminho, fazendo do grupo o apoio e não a base.” Este, o apelo de Paulina Nascimento, em nome de uma geração disponível para fazer melhor do que os atuais políticos.
Tecendo o meu sonho, não abdico da ideia de que os portugueses saberão encontrar o caminho da felicidade, que haverá mais solidariedade social, que se eliminará a pobreza e a exclusão social, que será erradicada a fome, que os nossos briosos jovens regressarão com alegria à sua Pátria, que acabaremos com esta saga de políticos caducos. E tenho o sonho de que os nossos desempregados voltarão à atividade para ganharem a vida com nobreza e dignidade.
Tenho um sonho! Espero ansiosamente que tudo isto mude e os meus conterrâneos sejam totalmente felizes e libertados de um flagelo historicamente nunca visto.




Notícias relacionadas


Scroll Up