Fotografia:
Figuras desportivas do ano 2013

Entramos num novo ano, é tempo de balanço e de reflexão. Entrar num novo ano permite-nos renovar a esperança de melhoria ou mudança. 2013, em termos desportivos, foi um ano de alguns sobressaltos mas, também de algumas conquistas e glórias. Alguns atletas emergiram ou comprovaram o seu estatuto destacando-se dos restantes: Rui Costa (campeão mundial no ciclismo); Emanuel Silva e João Ribeiro (campeões mundiais na canoagem); Sara Moreira (campeã europeia de 3.000m em pista coberta); João Sousa (o primeiro tenista português a vencer um torneio ATP);

Carlos Dias
3 Jan 2014

Gonçalo Roque e Leonor Oliveira (campeões europeus em ginástica acrobática), Carlos Sá (vencedor da ultramaratona dos EUA) José Carlos Macedo (campeão europeu BC3 em boccia), e a figura nacional que mais brilhou, pelo que conquistou, mas também pela sua importância no seio do desporto português foi Cristiano Ronaldo. Considero Cristiano Ronaldo como a figura desportiva de 2013, não por aquilo que representa nas revistas cor de rosa, mas acima de tudo pela imagem de entrega, de ambição e de dedicação ao seu trabalho. Na seleção a sua atitude, principalmente no jogo contra a Suécia, foi deveras impressionante. No Real Madrid, o seu desempenho é magnífico. Marcar 69 golos num ano é incomum e só será possível para alguns predestinados.
Em termos coletivos, a seleção nacional de boccia e a seleção nacional de futebol, repartem o meu destaque. A seleção de boccia pela quantidade de medalhas que, individual e coletivamente, arrecadaram no EuroBoccia 2013, que se realizou em Guimarães, e a seleção de futebol, pelo apuramento (apesar de ter sido conseguido “apenas” no play-off ) para a Fase Final da 20.ª edição do Campeonato do Mundo, que o Brasil vai acolher nos meses de junho e julho de 2014. A importância da presença portuguesa é significativa. Em primeiro lugar por se realizar no Brasil, onde residem milhões de portugueses e descendentes de lusitanos. Em segundo lugar porque o encaixe financeiro para o nosso País é muito significante. E por último, pela própria vertente desportiva. É sempre glorificante para uma pequena nação, como a nossa, marcar presença nos grandes eventos internacionais.
O ano também correu de feição para a Universidade do Minho, 1.ª do Ranking Europeu no Desporto Universitário, e para a Cidade Europeia do Desporto – Guimarães 2013, como a “melhor de sempre”.
Para 2014 e apesar das dificuldades que se mantêm em muitos setores da nossa sociedade, esperemos que as grandes organizações desportivas, agendadas para 2014 (entre os quais o Campeonato do Mundo Escolar ISF de voleibol), possam demonstrar ao mundo a nossa capacidade e coragem. A reabilitação do nosso pequeno país, nos aspetos desportivos, sociais, económicos, morais e emocionais poderá acontecer se tivermos a coragem de trabalhar mais e melhor. Temos que ter a audácia de rejeitar o pessimismo e renovar a esperança. Eu acredito que os nossos maiores trunfos estejam na capacidade inata de enfrentar a adversidade, na resistência e no espirito empreendedor do povo lusitano. Temos alguns defeitos que também nos caraterizam como povo, mas acredito que enfrentaremos com bravura os grandes desafios que se avizinham.




Notícias relacionadas


Scroll Up