Fotografia:
A parceria ativa na Saúde e a qualidade de vida nas cidades

A Saúde, tal como a Educação, constitui uma das novas áreas de reflexão das plataformas internacionais que analisam, discutem e apresentam soluções ou pistas a ter em linha de conta por parte de quem tem responsabilidades na gestão das cidades. A importância do tema obriga, por isso, a analisar com cuidado os pró e contras desta pretensão, mormente de uma visão partilhada que, quando se limita a analisar de quando em vez as orientações públicas para o setor e as necessidades dos investidores privados, corre o risco de se tornar inócua na ação e na influência.

Paulo Sousa, Paulo Sampaio e José Oliveira
29 Dez 2013

Esta premissa conduz-nos a uma pergunta: estão os gestores públicos e privados locais interessados em partilhar responsabilidades neste setor? Em muitos hospitais e órgãos de gestão municipal existem estruturas consultivas onde as autarquias e outras instituições opinam e/ou tomam conhecimento de problemas, ansiedades e objetivos, sem que daí resulte um impacto significativo para a melhoria da prestação de cuidados de Saúde. Inverter esta realidade, apostando em sinergias das quais resultem respostas concretas que ajudem a melhorar o Sistema é um dos caminhos. Antes de lá chegar, é preciso que haja determinação pública dos principais atores, a começar pelos gestores autárquicos de abraçar, igualmente, os problemas do setor como seus e por parte de quem gere o setor de os partilhar a nível local. Chegados aqui, coloca-se a questão de saber como intervir e a partir de que premissas. Uma das vantagens de um sistema de gestão integrado resulta do facto de basear as decisões em indicadores fiáveis e em ações concretas com impactos nas pessoas. Nem sempre é fácil chegar aqui. Os estudos publicados sobre a Qualidade de Vida em 2013 são reveladores desta dificuldade: Os órgãos estatísticos português e da Comissão Europeia conseguem dizer exatamente o contrário sobre a perceção dos residentes em matéria de Saúde. Em Março, o estudo do INE coloca, por exemplo, Braga entre as melhores no setor apontando como exemplo a baixa taxa de mortalidade e elevado número de médicos per capita. Se olharmos para o Eurobarómetro da Comissão Europeia, a Saúde é uma das áreas que mais desagradam às pessoas que aqui habitam. Apenas 47% se mostra satisfeita. Os números do INE podem, involuntariamente, deixar-nos tranquilos, quando a realidade é outra – a taxa de mortalidade em bebés com menos de um ano é das mais elevadas em Braga, mas, pelo contrário, anima-nos quando a ARSNorte aponta Braga como sendo um dos concelhos que tem mantido a capacidade de renovação populacional(9.1n/mil hab). Estes números são importantes por trazerem à liça diferentes informações e conduzirem a diferentes interpretações. Três outros números ajudam a perceber a importância de uma gestão integrada: 40 mil pessoas continuavam em 2012 sem acesso a médico de família no concelho de Braga de acordo com o Relatório Anual da ARS; do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências ter identificado cerca de um milhar de jovens em risco de consumo de drogas e álcool e de o INE identificar no concelho de Braga que um quarto da população está incapacitada de algum modo por problemas de Saúde, limitando a sua autonomia. Acresce o tipo de doenças que afetam as populações locais e para os quais continua a existir um peso substancial da política reativa, ao invés da ação preditiva e preventiva, desconhecendo-se a existência de metas e de ações para a redução do seu impacto.  Do lado positivo, Braga possui o hospital público mais eficiente do país e o hospital privado possui o maior número de valências qualificadas como excelentes pela ARS. O rol de notas positivas termina na Escola de Saúde da UMinho e do que ela já hoje representa para o setor em Portugal. Bom seria que tudo estivesse assente numa estratégia que torne a cidade e a região um alvo preferencial de uma política de gestão integrada em que Universidade, hospitais, centros de Saúde e autarquia são parceiros ativos.




Notícias relacionadas


Scroll Up