Fotografia:
A Solenidade da Imaculada Conceição de Maria

Celebra-se amanhã, dia 8, a Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Desde o cristianismo primitivo diversos Padres da Igreja defenderam que Maria foi Imaculada desde a sua Conceição, quer dizer: seus pais, segundo a Tradição, Joaquim e Ana, conceberam Maria normalmente, mas nesse momento, Deus livrou da mancha do pecado original Aquela que tinha predestinado para ser a Mãe do Seu Filho. No século IV, Efrém da Síria (306-373), diácono, teólogo e compositor de hinos, propunha que só Jesus Cristo e Maria são limpos e puros de toda a mancha do pecado.

Maria Fernanda Barroca
7 Dez 2013

A festa da Imaculada Conceição a 8 de Dezembro, foi estabelecida em 1476 pelo Papa Sisto IV. A existência da festa era um forte indício da crença da Igreja na Imaculada Conceição, mesmo antes da definição do século XIX como um dogma. Na Itália do século XV o franciscano Bernardino de Bustis escreveu, em 1678, o Ofício da Imaculada Conceição, com aprovação oficial do texto pelo Papa Inocêncio XI.
Em 8 de Dezembro de 1854, Pio IX, na Bula Ineffabilis Deus, fez a definição oficial do dogma da Imaculada Conceição de Maria.
Assim se expressou o Papa:
«Em honra da Santa e Indivisa Trindade, para decoro e ornamento da Virgem Mãe de Deus, para exaltação da fé católica, e para incremento da religião cristã, com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo, e com a nossa, declaramos, pronunciamos e definimos a doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus omnipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, foi preservada imune de toda mancha de pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus e, portanto, deve ser sólida e constantemente crida por todos os fiéis».
Como que para confirmar esta declaração dogmática, em 1858 (quatro anos depois) Bernadete Soubirous, uma pobre camponesa da localidade de Lourdes, diocese de Tarbes na França, afirmou ter sido agraciada com uma aparição.
Perguntando uma vez à aparição quem era, ouviu esta resposta: «Eu sou a Imaculada Conceição» O caso foi submetido às autoridades civis locais e eclesiásticas, após o que o bispo de Tarbes deu por confirmadas as aparições como sendo da Virgem Maria. As autoridades civis francesas foram impotentes para impedir naquela altura a devoção de milhares de peregrinos. Actualmente Lourdes transformou-se num lugar de peregrinação internacional de milhões de católicos devotos da Virgem Maria que assim querem honrar Nossa Senhora num dos seus privilégios.
No dia 8 de Dezembro de 2007 o papa Bento XVI, após a recitação do Ângelus, comentou que nesta festa solene se recorda que “o mistério da graça de Deus envolveu desde o primeiro instante de sua existência aquela criatura destinada a converter-se na Mãe do Redentor, preservando-a do contágio com o pecado original. Ao contemplá-la, reconhecemos a altura e a beleza do projecto de Deus para cada ser humano: chegar a ser santos e imaculados no amor (Efésios 1, 4), à imagem de nosso Criador.”
Atrevo-me a dar um conselho (ou aviso): Mas se voltarmos aos tempos actuais,
muito se tem falado na eliminação de dois feriados nacionais que são ao mesmo tempo festas religiosas, em nome de um aumento de produtividade que continua sem se ver. Façam o que quiserem, mas vou dar um conselho a quem decide: “não toquem na Mãe! – os verdadeiros portugueses não vão aceitar”.
A Argentina, terra natal do Papa Francisco, tem como padroeira Nossa Senhora de Lujan, que por sua vez é uma imagem de Nossa Senhora da Conceição ou da Imaculada Conceição.
A primeira visita do Papa Francisco (14/03/2013) foi à Basílica de Santa Maria Maior, a primeira igreja no Ocidente dedicada à Nossa Senhora, depois do Concilio de Éfeso (431) é um sinal sublime, pois Sua Santidade sem duvida encontra em Maria o começo de tudo: escolha, serviço, reconciliação, perdão e renovação.




Notícias relacionadas


Scroll Up