Fotografia:
Dez Milhões de Estrelas

A história é simples. Teve a sua origem em Annecy, um município francês da região Rhône-Alpes, capital do departamento francês de Alta Sabóia, em 1984. Em 1991, alastrou-se a toda a França e é levada a cabo por altura do Natal. Em 2002, estendeu-se ao resto da Europa e, a partir daí, a outros países do mundo, tendo como missão primordial a defesa dos valores da justiça, da paz e da solidariedade. Portugal aderiu pela primeira vez em 2003 com as Cáritas Diocesanas a responderem ao apelo lançado. É esta a origem da campanha “Dez Milhões de Estrelas”, uma iniciativa da Cáritas Portuguesa, traduzida num gesto simbólico que passa pela aquisição de uma vela como um «meio de angariar recursos para ajudar os mais pobres».

Damião Pereira
5 Dez 2013

Nesta operação, que se realiza este ano pela 11.ª vez, a Cáritas desafia-nos a adquirir uma vela e a acendê-la em nome da paz.
Nas várias manifestações públicas, que vão ser levadas a cabo em cada uma das dioceses de Portugal, os cidadãos são sensibilizados e convidados a refletirem sobre «a importância dos valores da paz, da solidariedade e da reconciliação».
Independentemente das suas convicções políticas ou religiosas, todas as pessoas poderão, por iniciativa própria, aderir a esta campanha, cujas verbas revertem para as Cáritas Diocesanas, em 65%, que serão aplicadas em projetos destinados a apoiar as famílias portuguesas em situação de carência. Os restantes 35% serão entregues pela Cáritas Portuguesa a um projeto internacional, que nesta edição servirá para apoiar o povo da Síria.
«Este ano tem sido particularmente difícil para todos os portugueses, pelo que os valores da campanha evidenciam a necessidade de todos nos unir-mos no reforço da solidariedade», refere a Cáritas bracarense, que agendou para o dia 14 de dezembro, pelas 21h30, na igreja e largo da Senhora-a-Branca, a manifestação pública da operação “Dez Milhões de Estrelas”.
Durante o “Concerto da Paz”, assim se chama a iniciativa da Cáritas Arquidiocesana, em que atua a soprano Ana Paula Matos, todo o espaço exterior da igreja será simbolicamente iluminado.
A mesma vela, «sinal da “luz de Cristo” que quer iluminar toda a humanidade e instrumento», pode ser novamente utilizada na noite de Natal.
Uma pequenina luz, um pequeno gesto, visto do lado de fora da janela, pode simbolizar muito, pode significar tudo.
Por isso, a urgência de paz no mundo dá todo o sentido a mais esta campanha da Cáritas Portuguesa, que convida cada português a acender uma vela na noite de 24 de dezembro, colocando «Jesus e a sua mensagem de amor, justiça e paz no centro das celebrações de Natal».




Notícias relacionadas


Scroll Up