Fotografia:
«O que hoje é verdade…»

Foi um ex-presidente dos nossos vizinhos quem popularizou o título acima transcrito. Nesta última semana de entrega das listas candidatas aos órgãos sociais do clube da cidade dos arcebispos, nunca como agora, tal frase teve tanto sentido, havendo até momentos em que a frase mais correta seria «o que agora é verdade, daqui a uma hora, é mentira…» Antes da entrada de António Salvador (AS) para presidente do SCB, era de conhecimento geral, e por todos aceite, que Mesquita Machado (MM) liderasse diretamente a câmara e indiretamente o clube. Nada se fazia sem o seu apadrinhamento e/ou incentivo. Quando ninguém parecia querer dirigir o clube, MM arranjava sempre a solução.

Carlos Mangas
29 Nov 2013

Com a chegada de AS ao SCB, autarquia e clube apesar de continuarem a ser “irmãos siameses” por via dos estádios municipais e de parcerias estratégicas no apoio camarário às modalidades amadoras, seguiam cada um o seu caminho, em termos diretivos. No entanto, também é público que nestes dez anos de mandato de AS, este foi sempre incentivado por MM a continuar a dirigir os destinos do clube, o que significa, reconhecimento implícito de competência.
Recentemente, atendendo à limitação de mandatos, MM viu terminado o seu tempo de presidente da autarquia. No entanto, e uma vez que se aproximavam tempos eleitorais no SCB, era previsível que o seu nome surgisse na lista de AS a quem recentemente voltou a pedir, na qualidade de presidente do conselho geral, que reconsiderasse a sua não recandidatura. Mas, uma situação ainda não totalmente explicada levou a que isso não acontecesse e MM vem agora queixar-se de não ter o lugar de presidente da AG, que lhe estaria atribuído quando da 1.ª lista apresentada aos órgãos sociais. Ou seja, lendo nas entrelinhas, AS queria contar com MM, mas este apenas aceitava ser presidente da AG. Pergunta inocente: Será que o facto de este cargo ter sido entregue a José Manuel Fernandes, deputado europeu pelo PSD e mandatário de Ricardo Rio nas últimas eleições autárquicas, não foi “a gota” que fez transbordar o copo?
Mas como nem só destas “tricas” e de futebol vive o momento eleitoral do SCB e como “adepto” das nossas modalidades em geral (futsal, basquetebol, voleibol, taekwondo, desporto adaptado, etc…) vejo com agrado na lista de AS, Fernando Parente (FP) proposto para vice-presidente das modalidades amadoras. É mais uma garantia sólida do impulso que as mesmas irão ter, devido à enorme experiência que o FP tem no Desporto Universitário de que são exemplo vivo, quer a qualidade das equipas da Universidade do Minho (UM), quer a excelência das organizações e participações da UM em eventos internacionais
Por tudo isto, e sem pretender questionar o aparecimento da outra candidatura, entendo que o clube está bem entregue e se o SC Braga, hoje, é apetecível, devemos reconhecer a AS uma enorme quota de responsabilidade e devemos apoiar quem nos últimos dez anos transformou o SCB num clube prestigiado aquém e além-fronteiras (clube que mais progrediu na Europa em 2011).
Quanto ao cargo de presidente da AG (e tentando colocar um pouco de humor na fervura) já que saímos prematuramente da Europa este ano, nada como um deputado europeu… para lá acedermos novamente. Ele conhece bem o caminho!




Notícias relacionadas


Scroll Up