Fotografia:
Mentes caducas

Todo o analfabetismo é prisão, triste, anormal, condenável e até perigoso pode ser para qualquer homem, comunidade ou país. O analfabeto pode ouvir, mas pouco entende; pode falar, mas está sujeito a ser corrigido. O analfabeto é fortemente limitado. Mas o pior de todos os analfabetos é o político, a par de mentes caducas. O político desconhecedor é capaz de dizer ou fazer as piores asneiras e de dizer que odeia a política. O político analfabeto ou de mente caduca é capaz de “entrar” em atropelos sociais e o pior de tudo é de, com todas as facilidades, poder “abastecer-se” economicamente e ser lacaio ou traidor, para o que foi nomeado ou votado.

Artur Soares
29 Nov 2013

Infelizmente na nossa Praça tem existido gente desse género.
Recordo Mário Soares que nunca foi um político “adiantado mental”, mas manhoso; nunca esteve ao serviço do país, mas ao serviço de si mesmo e dos seus, beneficiando ainda hoje de altas benesses que o povo paga dos seus impostos.
Recordo Freitas do Amaral que ao não votar (nunca) a Constituição da República, por ser excessivamente socializante, aceitou ser ministro dos socialistas e, ainda hoje beneficia dos palanques duma Constituição que recusou.
Recordo muitos mais políticos que não foram suficientemente vividos, esclarecidos, entre outros analfabetismos. Esses e os que atualmente estão no poder – Passos Coelho e restantes – testemunham diariamente o desconhecimento da desastrosa realidade nacional que teimam dar-lhe continuidade, mesmo que transgridam a Lei Mestra do país.
Assim, afirmada a existência das mentes caducas, Mário Soares, acompanhado de tristes figuras, pediu a demissão do primeiro-ministro e do Presidente (eleito) da República, para se evitar a “violência que está à porta”. Indiretamente, como muitos pensadores afirmaram já, Mário Soares apelou à violência, pois claro.
Sempre afirmei que o grande defeito dos portugueses é gostarem de ser comandados, isto é, não gostam de violência, mas sim que os problemas se resolvam. Concordo que o nosso problema tem sido a obediência a pessoas que fizeram a guerra, que fazem a pobreza, que distribuem a fome e fazem do povo analfabetos… enchendo as cadeias de pequenos ladrões deixando de fora os que nos têm enterrado.
Mas pedir a demissão publicamente de políticos eleitos pelo povo, quando o mesmo Mário Soares não está isento de culpas pela desgraça nacional… é ser distraído ou caduco.
Há mais de cinquenta anos, conheci um político que a meio da sua carreira testemunhou publicamente ser analfabeto ou com mente caduca quando afirmou: “hoje qualquer trabalhador pode comer galinha todos os dias”.
Recorde-se que nesse tempo um trabalhador ganhava dez escudos por dia, tinha mulher e filhos e a ave custava oito, nove ou dez escudos. Quer isto dizer, que galinha nesse tempo comia-se aos domingos e não eram todos.
Desse modo, pensando na velha frase de “pobres havê-los-eis de ter por toda a eternidade”, pelo que sei e vejo, o mesmo acontecerá com as mentes caducas no universo: sempre hão de existir.
Também não vai há muitos dias que outra Mente das que estamos a mencionar, do palanque da televisão, afirmou, chocando o país inteiro:
“A maior parte dos pensionistas estão a fingir que são pobres”; “Subir o salário mínimo é estragar a vida dos pobres”; “Ainda não se pediram sacrifícios aos portugueses” – para resolver a crise, quereria dizer.
Como classificar esta Mente? Caduca? Diminuída? Usurária? Gélida?
Este, de nome João César das Neves, bem trajado, refeitinho fisicamente, snobe quanto baste, desconhece o flagelo do desemprego?
Desconhece os cerca de quinhentos trabalhadores qualificados que partem diariamente como emigrantes? Desconhece as habitações que todos os dias são entregues aos Bancos por falta de salários? Desconhece milhares de famílias que reduzem à qualidade e à quantidade da alimentação e da medicação? Desconhecerá João César das Neves que milhares de velhinhos neste (seu?) país tomam meios comprimidos para atenuar seus males; que pais não conseguem comprar todos os artigos escolares para os filhos e que milhares de refeições são distribuídas gratuitamente em cada dia por instituições da Igreja e outras semelhantes?
Mentes caducas, analfabetismo político: eis duas aberrações que, no país, tem provocado a perigosa existência de novos pobres em Portugal e a serem acolhidos pela Igreja do Cristo crucificado.




Notícias relacionadas


Scroll Up