Fotografia:
Síntese entre “Fé e Cultura” (2)

O Papa Bento XVI numa alocução dirigida aos Bispos brasileiros que se encontravam no Vaticano, referiu-se à importância da cultura, ressaltando «que o pensamento se dirige para dois lugares clássicos onde a mesma se forma e comunica – a universidade e a escola – fixando a atenção, principalmente, nas comunidades académicas que nasceram à sombra do humanismo cristão e nele se inspiraram, honrando-se da designação de “católicas”» .

Maria Helena H. Marques
21 Out 2013

A escola, assinalou o Papa, «é chamada a promover a unidade entre fé, cultura e vida, que constitui a finalidade fundamental da educação cristã». Um objectivo que o Papa considera que deve ser concretizado através de uma «convicta sinergia com as famílias e com a comunidade eclesial».
Num outro momento em que Bento XVI se dirigia aos membros da Fundação Sagrada Família de Nazaré, reiterou que a fé é amiga da razão e convidou os cristãos a tecerem um diálogo profundo com a cultura.
Salientou também que a verdade e o amor «são inseparáveis», o que determina que «nenhuma cultura pode estar contente consigo mesma enquanto não descobrir que deve estar atenta às necessidades reais profundas do homem e de todo o homem».
Bento XVI afirmou ainda que «os conteúdos da revelação de Jesus são concretos e um intelectual cristão deve estar sempre pronto a comunicá-los quando dialoga com aqueles que estão em busca de soluções capazes de melhorar a existência e de responder à inquietação que atinge todo o coração humano».
Um intelectual cristão «deve cultivar sempre em si a admiração por essa verdade de fundo», que facilitando «a adesão ao espírito de Deus» nos impele, ao mesmo tempo, a «servir os irmãos com pronta disponibilidade».
Cultura, fé, comunicação são três realidades entre as quais se estabelece uma relação de que depende o futuro da nossa civilização, chamada a expressar-se sempre mais completamente na sua dimensão planetária.
A cultura é, em síntese, um modo específico do existir e do ser do homem. E o homem é o sujeito e o artífice da cultura, nela se expressa e nela encontra o seu equilíbrio.
A fé é o encontro entre Deus e o homem. É um dom de Deus ao qual deve corresponder a decisão do homem…
A cultura, como dimensão racional e social da existência humana, iluminada pela fé,  exprime também a plena comunicação do homem com Deus e, em contacto com as verdades reveladas por Deus, encontra mais facilmente o fundamento das verdades humanas que promovem o bem comum.
Assim, a síntese entre cultura e fé não é apenas uma exigência da cultura, mas também da fé.
Uma fé que não se torna cultura é uma fé não plenamente acolhida, não inteiramente pensada, não fielmente vivida.




Notícias relacionadas


Scroll Up