Fotografia:
Obviamente, Salvador

Depois da Câmara Municipal de Braga (no passado dia 29 de setembro) e da Universidade do Minho (no início desta semana), também o Sporting Clube de Braga vai viver um período eleitoral conducente à eleição de um novo presidente. Tal como no caso da UM, porém, o “novo” deve prender-se aqui com o arranque do mandato mais do que com a indesejável mudança de protagonistas. Afinal, pese embora não sejam conhecidos quaisquer candidatos de entre aqueles que terão que submeter as suas listas até ao próximo dia 25 para o ato eleitoral de 9 de novembro, e não se conhecendo sequer a intenção de recandidatura do atual Presidente do clube, os Bracarenses não compreenderiam qualquer outra solução que não passasse pela recondução de António Salvador.

Ricardo Rio
17 Out 2013

Volvida uma década sobre a assunção deste cargo, Salvador projectou o clube para um patamar antes quase inimaginável: estabilizando-o no topo do desempenho desportivo em diversas modalidades, mantendo um amplo ecletismo (apenas manchado pelo desaparecimento recente do atletismo ao mais alto nível), assegurando a formação desportiva a milhares de jovens Bracarenses, equilibrando-o do ponto de vista económico e financeiro e projetando-o enquanto marca e elemento de reforço da identidade de uma Comunidade e de afirmação turística de uma região.
No domínio estrito do futebol profissional, o “Enorme” é hoje, de forma incontestável, um dos quatro grandes no panorama nacional e uma equipa de créditos firmados na Europa e no mundo, com presenças de relevo nas mais diversas competições internacionais e com a participação assídua de vários dos seus atletas na Selecção Nacional.
Neste período, a Taça Intertoto e a Taça da Liga juntaram-se ao vasto rol de troféus que constam do Museu do Clube, mas muitos outros acabaram por ficar à curta distância dos caprichos do destino.
Para as muitas dezenas de milhar de adeptos que acompanham o clube, em Braga, no Minho, e um pouco por todo o País e junto das nossas comunidades pelo mundo, o ansiado título de campeão nacional continua ali guardado ao virar de uma qualquer esquina dos anos vindouros.
Este é um percurso com um rosto e uma equipa, que só razões de força  maior poderiam interromper abrutamente.
Nesse futuro risonho, em que nunca se poderá descuidar as vertentes da sustentabilidade financeira da coletividade, do reforço do seu património próprio, do seu envolvimento com a comunidade e com as demais coletividades desportivas (com as quais deve estabelecer uma lógica de cooperação tiva), poderá o futuro Presidente do Sporting Clube de Braga, António Salvador, contar com a colaboração contínua, justa e responsável, do futuro Presidente da Câmara Municipal de Braga, mas, sobretudo, com o apoio do sócio número mil quinhentos e trinta e três do Clube.  
Porque o Braga também merece o melhor.




Notícias relacionadas


Scroll Up