Fotografia:
Quando Francisco ainda era Jorge

1 O primeiro Francisco começou por ser João: João Pedro. O actual Francisco começou por ser Jorge: Jorge Mário.O primeiro Francisco nasceu na Itália. O actual Francisco tem as suas raízes na Itália, mas iria nascer na Argentina. O seu pai também era Mário e (premonitoriamente?) tinha Francesco como apelido: Mário Giuseppe Francesco. Pertencia a uma família de 24 irmãos que, nos anos vinte do século XX, aportaram em Buenos Aires.

João António Pinheiro Teixeira
23 Abr 2013

2. Nas memórias do futuro Pontífice encontram-se alojados os jogos da escola, as tardes de sábado a ouvir música com a mãe e as idas ao estádio do San Lorenzo, o clube de que se tornou adepto.
Por volta dos 13 anos, começa a ajudar o pai numa fábrica de têxteis. Entretanto, inscreveu-se no instituto técnico-industrial de química da alimentação.
3. Frequenta a paróquia de S. José de Flores, onde participa na Missa todos os domingos. Aos 17 anos, a 21 de Setembro de 1953 (data que nunca esqueceu), entrou na igreja para se confessar.
Ficou tão impressionado com a espiritualidade do Padre Duarte que decidiu tornar-se sacerdote. Sentiu que aquele momento foi «um encontro com alguém que estava à espera dele»!
4. Começou pelo Seminário diocesano de Buenos Aires, mas, volvidos alguns meses, ingressou no noviciado da Companhia de Jesus. A ordenação sacerdotal ocorreu a 13 de Dezembro de 1969.
Como padre, mostrou aquilo que continua a revelar como papa. Em toda a parte, diz Angel Rossi, «deixou uma marca de simplicidade e de humildade». Destacou-se, já nessa altura, como «um homem de profunda pobreza, de muitíssima oração, culturalmente preparado e com uma inteligência intuitiva».
5. A 13 de Maio de 1992, quando se comemoravam os 75 anos da primeira aparição de Nossa Senhora em Fátima, o Núncio Apostólico disse-lhe que iria ser Bispo Auxiliar de Buenos Aires!
Quando, em 1998, se tornou arcebispo, não se transferiu para o paço arquiepiscopal. Ficou num apartamento com dois quartos e ele mesmo preparava as refeições. Deslocava-se de autocarro e metropolitano.
6. Ao “La Stampa”, afirmara que «a Igreja deve sair de si mesma e ir para a periferia».
É por isso que ele andava pelas favelas, convivia com os mais pobres, promovia refeições populares e centros de acolhimento para os sem-abrigo.
7. Jorge fez tudo para não deixar de ser Jorge. Dizem algumas inconfidências que, já em 2005, tivera muitos votos.
Nessa altura, houve quem notasse o seu olhar sofredor e quem escutasse o seu pedido para que escolhessem outro.
8. Desta vez, o pedido não foi atendido e Jorge tornou-se Francisco. Há muita surpresa em muitos quando olham para Francisco. Mas não há qualquer surpresa para quem já conhecia Jorge.
Afinal, Jorge procurou desde sempre ser Francisco, ser como Francisco!




Notícias relacionadas


Scroll Up