Fotografia:
Honra ao mérito

Sempre nutri especial admiração por todos aqueles que desenvolvem a sua actividade a título voluntário, a expensas de recursos e tempo próprios, na gestão de todo o tipo de colectividades que prestam um serviço às comunidades, sejam elas Associações Culturais, Recreativas ou Juvenis, IPSS, Centros Paroquiais ou Clubes Desportivos, entre outras. Nessa lógica absolutamente amadora é possível encontrar alguns dos melhores gestores do País, na pessoa de todos quantos são capazes de realizar verdadeiros milagres, de forma a transformar recursos normalmente escassos ou inexistentes, em soluções criativas que viabilizam realizações de um valor incomensurável para os meios em que se encontram inseridos.

28 Mar 2013

Atente-se ao caso particular das colectividades amadoras e, em especial, daquelas que assumem um papel preponderante no apoio à formação desportiva dos jovens do País (e obviamente do Concelho).
Com que dificuldades não conseguem os seus dirigentes fazer face ao vasto rol de encargos com que têm que se deparar para assegurar o seu regular funcionamento? Água, Gás, Luz, Inscrições nas Associações/Federações, Segurança, Equipamentos, Limpeza de Equipamentos, Seguros, Apoio Médico, Transporte, Alimentação são apenas algumas das fontes de despesa que tocam à generalidade dos clubes, na proporção do número de equipas e jovens que movimentam.
Em contrapartida, as receitas costumam ter um âmbito diminuto: apoios pontuais das Juntas de Freguesia, patrocínios quase simbólicos ou pequenas ajudas recolhidas junto das famílias dos atletas.
À medida que se agrava a conjuntura económica a situação é ainda mais grave, na medida em que rareiam os apoios da vertente empresarial e que as próprias Autarquias Locais (nomeadamente as Juntas de Freguesia) se vêem forçadas a canalizar apoios para outros campos de intervenção prioritária, mormente na esfera social.
Perante estas circunstâncias, ou os clubes têm uma base sólida mínima de apoio financeiro – normalmente graças a apoios prestados pelas Câmaras Municipais (com exemplos como os que há muito existem em Autarquias como Vila Nova de Famalicão, Vila Verde ou Barcelos e a que Braga só recentemente aderiu depois de quase uma década de luta das Oposição e dos clubes) – ou a sua gestão segue o exemplo de qualquer outra entidade de cariz empresarial: reduz-se a actividade ou declara-se a “insolvência”.
Mais a mais, quando procuramos garantir o acesso de toda a população jovem aos benefícios da formação desportiva, potenciar talentos, assegurar uma oferta ecléctica de modalidades e uma dispersão geográfica cabal da mesma, os desafios são acrescidos.
Por todas estas razões, o caminho só pode ser um: não o de criar uma dependência estrita ou o de sustentar artificialmente projectos inviáveis, mas sim o de recompensar as iniciativas meritórias que, também no campo desportivo, demonstram igual rigor, arrojo, esforço e capacidade de mobilização de recursos e vontades.




Notícias relacionadas


Scroll Up