Fotografia:
Para o Dia do Pai

O que se convencionou chamar Dia do Pai só é terça-feira. Sei disso. Não obstante, a minha reflexão de hoje é toda voltada para o Pai. 1. Antes de mais, quero agradecer a Deus o Pai que me deu. Que o tenha entre os que partilham da Sua felicidade. Cada vez tomo mais consciência do muito que devo aos meus Pais e se aviva em mim a saudade deles. Muito diferentes um do outro, de ambos recebi maravilhosas e inesquecíveis lições de vida. Ambos me deram muitíssimo mais do que tinham recebido.

Silva Araújo
14 Mar 2013

Do meu Pai recordo particularmente a coragem, a honestidade, a força de vontade, a persistência. Recordo o desejo de que os filhos se preparassem bem para a vida, não obstante os escassos meios materiais de que dispunha. Não olhava a sacrifícios. Recordo o seu testemunho de fé. Ainda hoje como que o oiço recitar as orações da manhã e da noite que nos primeiros tempos de casados a minha Mãe lhe havia ensinado. Sendo forte e exigente, sabia ser também carinhoso e terno. Algumas vezes o vi chorar.
Obrigado, Pai. Mil vezes obrigado.
 
2. Aos Pais de hoje, o pedido de que o sejam em toda a aceção da palavra. Que exerçam a sua paternidade em plenitude, não se limitando a terem sido pais biológicos.
Que procurem o que realmente for melhor para os filhos, preocupando-se com a sua formação integral.
Que os ajudem a descobrir o que Deus espera deles. Que os ajudem a serem pessoas de bem: bons cristãos e bons cidadãos. Que, sem deixarem de contar com a ajuda da Igreja e da Escola, se assumam como primeiros e principais educadores. Que eduquem com a palavra e com o exemplo. Que saibam conciliar a exigência com a afetividade. Que saibam ajudar os filhos a tomarem consciência da sua dignidade de seres humanos e de filhos de Deus, a assumirem responsabilidades e a descobrirem os justos limites da liberdade.
Aos Pais de hoje peço que tenham tempo para os filhos. Para com eles rezarem e com eles participarem na Eucaristia dominical. Para brincarem com eles. Para os acompanharem no cumprimento dos  deveres escolares. Para com eles conversarem. Para saberem quem são os seus amigos. Para com eles, sempre que possível, tomarem as refeições.
Peço-lhes que tenham tempo para com os filhos verem um filme ou um programa de televisão e sobre isso trocarem impressões, a fim de os ajudarem a formarem o sentido crítico, a construírem uma correta escala de valores, a saberem fazer na vida as melhores opções. Que com eles pratiquem desporto com desportivismo, com lealdade,  reconhecendo o mérito e o valor do adversário. Não vendo nunca no outro um inimigo a abater. Que com eles assistam, pela televisão ou ao vivo, a um jogo de futebol, sabendo ver o que está correto e o que não está. Repudiando toda e qualquer forma de violência. Reconhecendo, se os houver, os erros do árbitro mas sem o insultarem e sem ofenderem a sua mãe.
Aos Pais de hoje peço que, pela palavra e pelo exemplo, ensinem os filhos a usar corretamente dos bens materiais. A verem no dinheiro um meio e não um fim. A gerirem o que possuem de uma forma solidária e não egoísta. A tomarem cons-
ciência de que Deus criou o mundo para todos e não para um grupo de privilegiados. A saberem que lhes não são permitidos gastos supérfluos quando a outros falta o necessário. A tomarem consciência de que as pessoas valem mais pelo que são do que pelo que possuem.
 
Aos Pais de hoje peço que se lembrem de que antes de serem pais são maridos. São pais porque são maridos. A dedicação aos filhos não deve ser motivo para que deixem de ter para com a esposa as devidas atenções. Marido e esposa são um para o outro e os dois para os filhos.
Peço-lhes que não deixem de investir na estabilidade da família e no bom ambiente familiar, conscientes de que é em casa que as pessoas têm o direito de começarem a sentirem-se felizes.
 
Não é fácil a tarefa de ser Pai. Reconheço-o. Nunca o foi, e hoje muito menos. Por isso, a pensar no Dia do Pai que o deve ser ao longo dos 365 dias do ano, aos Pais que o procuram ser de verdade o meu louvor e a minha respeitosa admiração.
 
3. Mas o Dia do Pai também deve ser motivo para que os filhos saibam reconhecer o muito que os Pais fazem e fizeram por eles. Que saibam tirar proveito dos sacrifícios e renúncias a que, por amor deles, os Pais se sujeitam. Que não deixem de seguir os seus exemplos e de, por uma forma ou outra, lhes amenizarem a existência. Que saibam ver neles os melhores confidentes e os melhores amigos. Que nunca se envergonhem deles, se porventura forem de condição humilde. Que os amparem na doença e na velhice respondendo sempre com dedicação e carinho ao carinho e à dedicação que dos Pais receberam.




Notícias relacionadas


Scroll Up