Fotografia:
“Grândola vila morena” ao ministro alemão

O senhor Dirk Niebel, ministro alemão com o pelouro do Desenvolvimento, resolveu, sarcasticamente, recomendar que a carne de cavalo com “fenilbutazona” – uma substância nociva à saúde pública –, fosse doada aos pobres, para lhes “matar” a fome. Os ricos dispensam-na, porque preservam a sua saúde. Então remetem-na para os pobres, nestas ocasiões de grise grave. Isto é no mínimo uma afronta ao bom senso e à dignidade humana.

Albino Gonçalves
25 Fev 2013

Para que o leitor perceba a natureza terapêutica do medicamento em causa, e que é ministrado aos cavalos, sem controlo e ausente de vistoria veterinária, vejamos, o que significa o produto químico detetados na carne de cavalo lançada no circuito da cadeia alimentar humana, que o ministro acha que os pobres podem comer e os ricos não:
Posologia e Administração – “FENILBUTAZONA: a posologia usual para as doenças reumáticas. Precauções: pacientes portadores de doenças cardiovasculares devem ser tratados com cautela devido à possibilidade de retenção e edema. Para o tratamento de pacientes idosos (acima de 65 anos) ou portadores de insuficiências hepática e renal leves é necessário um ajuste da posologia e um rigoroso acompanhamento médico. Quando a Fenilbutazona for administrada, em casos excecionais, por um período superior a uma semana, devem ser realizados testes de hemograma periodicamente, pois podem ocorrer alterações sanguíneas
significativas, o que indica que o medicamento deve ser suspenso imediatamente. Interações medicamentosas: devem ser evitadas as associações com anticoagulantes e hipoglicemiantes orais, fenitoína, sulfonamidas e derivados do lítio, pois aumenta a atividade e os efeitos destas; acelera o metabolismo do dicumarol, aminofenazona, digitoxina e cortisona.  Reações adversas: as mais comuns são de origem gastrintestinal (náuseas, vómitos, diarreia, estomatites e desconforto epigástrico); com menor frequência são relatados casos de insónia, vertigem, nervosismo, confusão, edema, bócio e dor de cabeça; raramente podem ocorrer hematúria, pancreatite, nefrite e distúrbios da visão.  Contra-Indicações: gravidez, lactação, menores de 14 anos, úlcera péptica, distúrbios hematológicos, cardiopatias, diabetes, insuficiências renal e hepática graves, hipertensão arterial grave, doenças da tiróide e portadores de hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula. Indicações: tratamento dos episódios agudos de gota e pseudogota, osteoartrites, espondilite anquilosante; nos casos de exacerbação aguda de artrite reumatóide, osteoartrose e reumatismo extra-articular”, etc.
É isto que o ministro pretende induzir na alimentação dos pobres? Carne de cavalo misturada que este produto químico farmacêutico? É caso para lhe cantar “Vila Grândola Vila Morena”.
O ministro alemão brinca com o desfortúnio das pessoas, falta-lhes ao respeito. Os pobres, certamente, devolvem a benfeitoria ao senhor Dirk Niebel, para que tenha bom apetite na sua ementa alimentar constituída de “carne de cavalo com fenilbutazona” e que a mesma se repita assiduamente nos seus hábitos alimentares.




Notícias relacionadas


Scroll Up