Fotografia:
Sem luz na escuridão

1. Na noite da passada segunda-feira, cerca de dez mil adepto Bracarenses resolveram encarar a gélida pedreira, não para presenciar um qualquer desfile festivo de máscaras mas numa verdadeira expectativa de antecipação da Quaresma, traduzida na redenção da sua equipa de futebol depois de uma série de resultados menos animadores. Todavia, a sua expectativa voltou a sair totalmente frustrada, com uma noite coroada com uma derrota comprometedora contra um surpreendente adversário direto na luta pelo acesso à Champions, na sequência de uma sucessão de falhas individuais e debilidades coletivas.

14 Fev 2013

No banco, com a mesma impotência revelada em outras ocasiões – neste e em outros clubes -, mantém-se um cavalheiro por quem nutro especial apreço pela sua conduta pessoal, mas que vem deixando muito a desejar do ponto de vista do seu desempenho (tanto quanto o mesmo pode ser aferido pelos resultados efetivos das equipas que orienta).
Assim, e sem que as culpas possam ser única e exclusivamente imputadas ao treinador, o Braga prossegue uma época sem especial chama, e em que diversos objetivos foram já irremediavelmente abandonados.
Ao lado, para angústia de muitos adeptos Bracarenses, segue-se uma parada de outros técnicos que por cá deixaram boas recordações, com especial ênfase para a recente disponibilidade de Domingos Paciência e Leonardo Jardim.
E, nas bancadas do AXA, como no velho anúncio da Diane, lá se vai murmurando: “- E nós a vê-los passar…”

2. Ainda assim, se a noite foi negra dentro de campo, será caso para dizer que Braga voltou a mergulhar nas trevas por aquilo que se passou nas bancadas.
Aqui, há que dizê-lo de uma forma absolutamente taxativa: nada, absolutamente nada, pode justificar aquele tipo de comportamento por parte de adeptos do nosso Clube.
Em primeiro lugar, porque o crescimento que o Sporting de Braga tem conseguido no plano desportivo e financeiro tem que ser consolidado com um conjunto de posturas dignas de um clube efetivamente grande e de dimensão europeia, nas quais se inclui necessariamente a conduta dos seus adeptos dentro e fora de portas.
Em segundo lugar, porque não é apenas a imagem do clube que está em causa mas de todo o concelho. Da mesma forma que captamos os benefícios do lado bom que a projeção do Braga proporciona, este tipo de atitudes mancha a imagem de todas as gentes Bracarenses, face à reprodução que tais incidentes sempre merecem nos órgãos de comunicação social.
Finalmente, há que relembrar que – qualquer que seja o enquadramento – estes episódios começam a ser demasiado frequentes, estendendo-se de disputas com rivais diretos a inócuas partidas com o Belenenses na II Liga.
Ora, mais que a má reputação associada, estas ocorrências comportam um claro risco para o comum dos adeptos que, como vem sendo prática crescente, deseja acompanhar o clube nas suas deslocações, porquanto incitam à violência e à vingança indiscriminada.




Notícias relacionadas


Scroll Up