Fotografia:
Outro Ponto de Vista…

“Porque é que os piores estão em cima? Todo o poder corrompe. O poder absoluto corrompe absolutamente”.Lord Acton
A assunção por parte de Lance Armstrong do consumo de substâncias dopantes que lhe permitiram ganhar várias competições em que esteve envolvido, permite-nos, por analogia, verificar que na vida pública e política, se a exigência de responsabilização funcionasse muitos seriam irradiados.
Na política, ou seja no exercício quotidiano da conquista do voto, ao debate, à apresentação de propostas, tudo é objeto de farsa.

Acácio de Brito
25 Jan 2013

O doping do desporto é substituído na política, por afirmações, que normalmente se baseiam em estudos que se verificam valer coisa nenhuma.
Em português corrente chama–se mentira, logro, embuste ou intrujice!
Não obstante, afirmar-se com pose e sentido de estado, hoje algo e, amanhã o seu contrário, em vez de merecer público repúdio considera-se comportamento normal.
Aí encontramos o busílis do atual estado de coisas, a falta da responsabilização.
Ao homem que escolhe a arte nobre do governo da Pólis, exige-se qualidades de excelência.
Não basta ser um pseudo-sofista, ou um retórico balofo!
Tem de assumir competências excelsas, tem de dar provas de vida proba, sem merecer dúvida alguma no escrutínio que se exige que aconteça a montante.
Quando hoje assumimos que se calhar a governação deveria ser feita pelas oposições, isso decorre da constatação de que, quando longe do poder de decisão, tudo é permitido propor, até o Céu na vida terrena!
Na governação tudo é diferente, seja na sua dimensão nacional ou, mais localizada no espaço, por exemplo o autárquico.
Neste ano de escolhas, pelo menos dos eleitos locais, a atenção deve ser redobrada.
Não basta afirmar as virtudes de uma mudança, devemos exigir que os atores demonstrem de que modo atuarão.
Não é suficiente a afirmação de que tudo será diferente, até porque o espelho nacional pode suscitar-
-nos as maiores das dúvidas!
Razoável é o escrutínio de se saber quem são, o que fazem, de onde vieram e por que razões se acham na obrigação de servir.
Aceitável, é quem se decidir a servir, demonstre de modo inquestionável ao que vem.
Aos candidatos à autarquia de Braga apresentados e conhecidos, hoje, apenas dois, um do PS, sufragado “esmagadoramente” pelas suas bases e um outro, objeto de “aclamação” em reunião de bases do PSD, e outros que se irão apresentar ao sufrágio, exige-se propostas que mereçam, pelo menos, a possibilidade de serem contraditas.
As eleições autárquicas próximas serão verdadeiramente um teste à nossa maturidade cívica, ou vamos na conversa do déjà-vu, ou vamos no encanto de quem na oposição tudo promete e depois logo se vê, ou, ainda, escolhemos uma via terceira, de quem seja capaz de nos dizer olhos nos olhos ao que vamos!
Espera interessante, vontade imensa de MUDAR!




Notícias relacionadas


Scroll Up