Fotografia:
Ano Novo Vida Nova

Todos os anos cumprimos o mesmo protocolo, pegamos em doze passas e, por cada uma que colocamos na boca, ao compasso das badaladas que marcam mais um progresso no calendário, pedimos desejos para o ano novo que está a comparecer. Nesse instante de contagem decrescente, afiançamos que vamos arranjar energias para tornar os nossos sonhos realidade, pois deles depende a nossa ventura, juramento este que no dia seguinte fica largado ou adiado.

Silvia Oliveira
4 Jan 2013

Mudar de vida dá trabalho exige uma atitude ativa, avaliando as vantagens, enfrentando as escolhas, renascendo e aprendendo.
O que nos leva a aferrolhar o caminho aos desejos de mudança é o medo, a segurança existencial e consequente necessidade de controlar todos os riscos. Claro que mudar por mudar, sem saber muito bem porquê ou para onde, não é solução para qualquer tipo de mal-estar interior. Mas, a mudança, quando refletida e nascida dentro das nossas potencialidades vitais, pode abrir caminhos de realização nunca imaginados possíveis. E, o que nos leva a abrir esses mesmos caminhos para a mudança é a angústia diária, como sinal de alarme que nos faz parar para questionar o que queremos para a nossa existência(?). Desta questão surge naturalmente uma encruzilhada, situação mais ou menos complexa do que é habitual, tendo a pessoa que optar por um caminho vital entre vários possíveis. As mudanças, os conflitos, as crises ou as encruzilhadas não são acidentes do destino, são parte natural e essencial da condição humana, alimentam uma ideia de renascimento, pois nela incluem uma solução satisfatória e uma esperança para a frente.
Ora, olhar de frente é talvez o maior desafio de quem decidiu tomar como pensamento “Ano Novo Vida Nova”. Para isto temos que nos debruçar sobre nós mesmos e analisarmos as nossas necessidades mais profundas, e se somos tão bons a fazê-lo para os outros, sobretudo quando não nos pedem, porque é que temos tanto medo de olhar e atuarmos dentro de nós(?), porque talvez tenhamos medo de que as nossas verdadeiras necessidades não correspondam às exigências dos outros ou da sociedade, o que nos dificulta a tomada de decisão ou então temos medo de dar um passo em falso, ir contra as praxes sociais. Enfim, vencer este terror inicial da descoberta é fundamental e uma empreitada que depende somente de cada um, onde nenhum apoio externo pode subestimar esta decisão autónoma de fazermos algo por nós próprios.
Aprender e renascer passa naturalmente por mudanças nas crenças e costumes. Por isso é essencial conhecermos a nossa história, pois é o passado que nos mostra as nossas possibilidades e limitações. Não podemos fazer planos de futuro a partir de uma avaliação errada dos nossos recursos, alertando-se que muitas das nossas potencialidades poderão estar esquecidas ou até sufocadas por nunca terem sido chamadas ao nosso quotidiano.
A mudança acontece e com ela os tempos de desordem que requerem coragem e perseverança. Talvez não seja fácil aceitarmos a desordem devido à luta contínua pela ordem das coisas, quando este caos se instala temos atitudes imaturas e infantis ou melhor temerosas, são as regressões em que adotamos novamente comportamentos de outras etapas da vida, e em que damos um passo atrás na nossa relação com o mundo.
É, assim, nesta desordem e persistência que aventuramos um novo caminho de vida, uma descoberta, uma nova tarefa, que de solitária não tem nada, visto precisarmos de todos os outros para se criar o ambiente propício à mudança e crescimento. Se as pessoas à minha volta forem congruentes, genuínas, autênticas, se me aceitarem de forma incondicional, ou olharem para mim de modo positivo e dispostas a compreender-me, então temos criadas as condições certas para a mudança e crescimento.




Notícias relacionadas


Scroll Up