Fotografia:
Reconhecimento à Educação em Famalicão

Está provado que muitos alunos que frequentam o ensino secundário e universitário em Portugal não conseguem alcançar boas notas nos exames porque têm dificuldades em interpretar as questões. A dificuldade em interpretar textos é, de resto, um dos maiores desafios colocados aos professores em Portugal e uma das principais causas do insucesso escolar.

Isaura Costa
26 Dez 2012

A solução – dizem os especialistas – passa por ler muito. Mas para isso é preciso incentivar os alunos, desde tenra idade, para a leitura. É preciso que os agentes educativos, os encarregados de educação e a própria sociedade promovam a leitura.
É inegável que o domínio da língua materna, desenvolvido pela leitura, é um fator decisivo para a aprendizagem de várias línguas, para o conhecimento da cultura, da história e para a apreensão de várias disciplinas, como a matemática.
Nas escolas do 1.º Ciclo de Vila Nova de Famalicão foi implantado em 2007, o projeto educativo “Litteratus”, promovido pela autarquia famalicense em colaboração com a Universidade do Minho. Um dos principais objetivos deste projeto inovador foi promover, nos alunos, níveis elevados de compreensão leitora. E os primeiros resultados já estão à vista. No ano letivo 2011/2012, os cerca de 1500 alunos do 4.º ano, das escolas do 1.º ciclo, que participaram no projeto apresentaram resultados, no âmbito da compreensão da leitura, superiores aos da média nacional.
Mas este projeto-piloto, que vai agora ser implementado noutros municípios do país, é apenas um no rol de projetos que o município famalicense dinamiza junto das escolas do concelho. A política educativa da autarquia é elogiada um pouco por todo o país. Todos os responsáveis lhe reconhecem o mérito e o seu exemplo é replicado noutros concelhos.
Não foi por acaso que Vila Nova de Famalicão foi recentemente contemplada com o prémio de Reconhecimento à Educação 2012, sendo considerado o segundo melhor município do país para estudar.
Quem ganha são as crianças famalicenses, a comunidade e a própria democracia, pois uma boa educação é essencial para uma boa cidadania. A educação é a chave que abre as portas de um futuro melhor.
Como afirmava o filósofo romano Séneca “a educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida.”




Notícias relacionadas


Scroll Up