Fotografia:
Desilusão

Terminou sem brilho a participação do Sporting Clube de Braga nas competições europeias de clubes na presente época, particularmente na Champions League, onde teve uma despedida precoce face aos objetivos definidos para esta competição. Naturalmente que a ambição tinha limites, mas com os bons desempenhos anteriores e o valor da equipa era expectável que o comportamento fosse outro, atendendo até ao grupo onde estávamos inseridos. Sabia-se de antemão que o Manchester United era o candidato mais forte ao 1.º lugar, apesar de não ter demonstrado em campo tão grande superioridade.

Luís Covas
14 Dez 2012

Com um arranque comprometedor, derrota com o Cluj, logo aí se começou a recear aquilo que mais tarde se veio a confirmar, que foi o não apuramento para os oitavos de final e onde se deixou de arrecadar alguns milhões que poderiam fortalecer ainda mais o clube, no futuro.
Nesta altura, mais importante que tecer duras críticas e apontar culpados ou inocentes é assumir o fracasso com realismo e efetuar uma avaliação exaustiva das causas que determinaram o afastamento precoce desta competição com as consequências que tudo isso acarretou.
Os adeptos e simpatizantes bracarenses estão tristes, encontram-se a curar as feridas que este abandono provocou e seguramente que os seus responsáveis, administração, equipa técnica, jogadores e todo o seu staff saberão encontrar os “porquês” desse tão grande insucesso e que “os murros no estômago”, que levamos nesses embates, não voltem a provocar indigestões com as sequelas que isso provoca. Bem sabíamos que não eramos favoritos à vitória final na prova, mas chegar aos oitavos ou até aos quartos de final (com uma pontinha de sorte no sorteio) teria sido bem possível  e dessa forma solidificar, ainda mais, o estatuto do clube, com um apreciável encaixe financeiro.
Com os tempos difíceis que se atravessam e um cenário futuro pouco animador é imperioso voltar a andar na Champions League, pois apesar de já estarmos afastados da presente edição já conseguimos uma verba superior a 11,7 milhões de euros. Bem sei que o crescimento sustentado leva o seu tempo a adquirir, ainda não reunimos condições para ombrear com os colossos do futebol europeu (só para dar um exemplo, o Borussia de Dortmund levou mais de 10.000 adeptos a Madrid) e nós ainda não conseguimos encher o nosso estádio numa jornada europeia, nem com os poderosos Manchester United, Bayern ou Arsenal que já visitaram a Pedreira.
Outro exemplo, foi o apoio dos adeptos turcos que comparecerem no jogo com o Galatasaray aqui em Braga na última jornada. Creio que é por aqui que se começam a ganhar as batalhas com o apoio indefetível dos seus adeptos, criar uma cultura de vitória e transmitir essa mística para a equipa que semanalmente entra em campo com esse objetivo.
O trabalho de António Salvador tem sido elogiado por todos os quadrantes mas também nestas alturas deverá fazer uma autoavaliação, fria e calculista do que falhou para que novas desilusões não voltem a acontecer.




Notícias relacionadas


Scroll Up