Fotografia:
Comportamentos de compensação (2)

As dez necessidades neuróticas enunciadas por Karen Horney, que dão origem a correspondentes comportamentos de compensação, são as seguintes:
1. Necessidade neurótica de afecto e aprovação. Dentro desta tendência, vamos encontrar pessoas que sentem e manifestam um desejo exagerado de agradar aos outros e de viver de acordo com o que eles esperam de si. Sentem-se e agem como se tivessem perdido a sua autonomia e liberdade de decisão interior. São inseguros. Precisam de sentir o afecto dos outros.

M. Ribeiro Fernandes
11 Nov 2012

É certo que todos precisamos do afecto e da compreensão dos outros, mas há pessoas que são quase dependentes do afecto dos outros. Vivem em função da opinião favorável dos outros e, por isso, são muito sensíveis a qualquer indício de rejeição ou de falta de amizade. Facilmente se melindram e perdem o controlo de si mesmos quando, em qualquer situação ou relação, se sentem rejeitados ou inseguros.
No campo da moda, tornam-se bons clientes, porque sentem que assim os outros os admiram mais e gostam mais deles. Quem lhes descobrir esse ponto fraco pode saber tirar partido disso… espero que não seja desonestamente.

2. Necessidade neurótica de alguém de quem possam depender. Pessoas com esta necessidade têm medo de ser abandonadas, têm medo de ser deixadas sós; por isso, valorizam muito as amizades, agarram-se a elas para se sentirem protegidas. Este tipo de dificuldade pode afectar o relacionamento do casal. Representa o sentimento de abandono que podem ter experimentado em crianças e precisam de evitar de novo esse sofrimento, que lhes foi muito doloroso. Procuram evitar situa-
ções dessas.

3. Necessidade neurótica de restringir o número de pessoas com quem se dá. São pessoas que gostam de passar despercebidas, que valorizam acima de tudo a “modéstia” (não a modéstia em sentido consciente, na qualidade de virtude, mas a modéstia no sentido de retraimento pessoal), porque sentem os outros como invasores da sua presença. Quer dizer, na verdade, elas não gostam de passar despercebidas, mas sentem-se compelidas a isso, porque assim sentem-se mais seguras, evitam o medo de serem incompreendidas. São o tipo de pessoas que evitam fazer exigências; preferem ficar quietas no seu canto.

4. Necessidade neurótica de poder. São pessoas que manifestam um forte desejo de poder, que procuram glorificar-se, que acreditam na omnipotência da sua vontade. São fáceis de identificar, porque dão nas vistas nos cargos que ocupam, sobretudo na área da política, em cargos públicos. Não só cargos públicos políticos, mas também noutros sectores da vida social. Não têm do poder uma concepção de serviço, mas de dominação. Eles é que sabem. Eles é que mandam.
Terão eles consciência do seu comportamento de compensação? Talvez não. Ou, então, muito pouco. Têm dificuldade em ver-se no espelho da consciência crítica. A culpa é sempre dos outros.

5. Necessidade neurótica de explorar os outros: uma realidade que, infelizmente, existe demasiado na sociedade. São pessoas que se não contentam com o que é seu. A eles se pode aplicar o ditado do povo: o que é meu é meu; o que é teu é teu e meu. São gananciosos no lucro. Se puderem, acham que é tudo deles.
(continua)




Notícias relacionadas


Scroll Up