Fotografia:
O Ano da Fé

“Quem é que roubou o meu queijo?”. Este livro esteve na berra há uns anos atrás. Segundo ouvi dizer, conta a história de uns ratinhos que viviam num labirinto e que dependiam do queijo como alimento para sobreviverem. Tinham descoberto um lugar onde havia abundância de queijo e, apoiados nessa segurança, viviam felizes e contentes.

Pe. Rodrigo Lynce de Faria
13 Out 2012

Certo dia, porém, deram-se conta de que o queijo tinha acabado. A reação de cada um deles foi diferente. Uns continuaram a procurar o queijo no lugar habitual com o argumento de que “sempre tivemos alimento aqui e isso agora, evidentemente, não vai mudar”.
Outros, pelo contrário, já se tinham dado conta de que o queijo estava a terminar. Por isso, prudentemente, tiveram a preocupação de procurar esse alimento noutros lugares. Como o tinham encontrado, já não dependiam somente do queijo daquele local para sobreviverem.
Esta história faz-nos pensar que a nossa vida muda com muita frequência. Por isso, o modo como realizamos o trabalho e os meios com que contamos para o fazer podem vir a tornar-se obsoletos. Cada um de nós acumula, com o passar do tempo, uma série de costumes e experiências que determinam o nosso estilo de trabalhar e também o nosso estilo de viver. Um belo dia, porém, damo-nos conta de que essas rotinas já não funcionam: necessitam de ser adaptadas às novas circunstâncias.
Por esse motivo, entre outros, somos seres inteligentes, com capacidade de nos adaptarmos às novas situações. Dizer isto, no entanto, não é o mesmo que dizer que tudo na vida é mutável, passageiro e efémero. Se tudo fosse mutável, uma pessoa com princípios éticos seria obsoleta por definição. Se os princípios mudam com as circunstâncias, das duas uma: ou não sabemos o que são princípios ou não os temos.
Como dizia uma personagem sem princípios enquanto negociava: «Que fique claro que estes são os meus princípios. Porém, se não gosta deles, eu arranjo outros. O único importante é fecharmos hoje o negócio». Os princípios, se o são de verdade, não só não nos impedem de nos adaptarmos às novas circunstâncias, como são a base firme que nos permite um apoio nessas mudanças.
Talvez por isso – entre outros motivos – Bento XVI quis convocar este Ano da Fé. Para que conheçamos bem os princípios da fé cristã. Que redescubramos a alegria de acreditar e o entusiasmo de comunicar a fé como aquilo que é: o maior tesouro que Deus nos deu. Uma fé que, como diz o Papa, tem de ser professada, celebrada, vivida e rezada. Uma fé que não é uma teoria, mas o encontro com uma Pessoa que vive na Igreja.
Os tempos mudam, as circunstâncias também, mas a nossa fé permanece e permanecerá sempre a mesma. E é a partir dela que podemos adaptar-nos à conjuntura atual e empenharmo-nos numa nova evangelização. Uma evangelização que é nova, mas que procede da fé de sempre: aquela que nos deixou Jesus Cristo e que a Igreja tem a missão de guardar e transmitir com fidelidade.




Notícias relacionadas


Scroll Up