Fotografia:
Uma nova figura inspiradora

Na versão apresentada no YouTube (http://www.youtube.com/watch?v=GBhdXfCdaA8), o episódio dura exatamente 36 segundos É muito pouco tempo, mas é suficiente para se ficar a saber bastante sobre quem é o político que pretende ser o próximo vice-presidente dos Estados Unidos da América. O título do vídeo é, por si só, eloquente: “Homem de 71 anos deitado ao chão por questionar Paul Ryan”.

Eduardo Jorge Madureira Lopes
19 Ago 2012

A história passou-se na cidade de West Allis. Paul Ryan, o engomado congressista do Wisconsin que o candidato republicano às eleições presidenciais norte-americanas de Novembro escolheu como candidato a vice-presidente, é o convidado especial de um almoço-debate. A assistência, que pagou para estar presente, ouve-o defender o seu programa: é necessário reduzir a dívida do país. Para o fazer, impõe-se suprimir os principais apoios sociais, entre os quais o seguro de doença para os maiores de 65 anos. Em substituição, haverá uma quantia que será entregue aos idosos mais desfavorecidos para ajudar a que eles próprios tratem de fazer um seguro privado.
As coisas são claras para Paul Ryan: “O essencial da dívida do país deve-se aos nossos programas sociais”. Mas nem todos estão de acordo. Incomodado, um participante, identificado como Tom Nielsen, um pacato reformado de 71 anos, interpela-o com contundência: “Eu descontei durante cinquenta anos para tudo, para o desemprego, para a segurança social, para o seguro de velhice e agora quer…” Não consegue concluir a frase. A polícia atira-se a ele violentamente, retirando-o da sala, deitando-o ao chão e algemando-o.
Nos últimos segundos do vídeo, Paul Ryan goza com Tom Nielsen que, mesmo tendo pago para almoçar e debater, foi expulso do almoço-debate. “Espero que tenha tomado o medicamento contra a hipertensão”. A graçola do agora candidato a vice-presidente é parva, mas isso não impede os presentes de se rirem. Talvez nem todos, porque, tanto quanto se sabe, mais uns quantos comensais foram postos na rua por se terem mostrado pouco simpáticos com Paul Ryan, colocando-lhe perguntas não apreciadas.
A imprensa dos Estados Unidos da América e da Europa tem referido que a entrada em cena de Paul Ryan poderá fazer com que o programa de saúde pública para idosos (o famoso Medicare), promovido pelo presidente Barack Obama, se torne o principal tema da campanha eleitoral. E muitos são os que julgam que, apesar de as péssimas ideias de Paul Ryan serem susceptíveis de beneficiar o adversário, os maus propósitos do número dois de Mitt Romney contra os reformados fornecerão um novo argumentário aos que, seja em que continente for, avaliam as pessoas apenas pelo contributo que dão para a criação de valor financeiro, ou porque produzem ou, sobretudo, porque consomem. Se dão prejuízo, porque recorrem aos serviços, e em particular aos de saúde, para os quais descontaram ao longo das suas vidas de trabalho, é preciso pô-los à margem.
Para Paul Ryan, os reformados são o novo grande inimigo dos Estados Unidos da América. O seu próximo grande combate será, pois, contra eles e contra os mais pobres de entre eles. Acabar com os apoios de que usufruem, eliminando as ajudas aos mais carenciados e, simultaneamente, reduzir os impostos dos mais ricos, é o essencial do programa de Paul Ryan. Ele afirma-se como o novo guerreiro contra os que vivem à custa do Estado, mesmo dando-se o caso de ele próprio, sendo tão novo, se encontrar, desde há muito, a viver à custa do Estado. Os órfãos portugueses de George W. Bush têm uma nova figura inspiradora.




Notícias relacionadas


Scroll Up