Fotografia:
São João Baptista, o precursor de Jesus

Celebra-se, amanhã, a festa do Nascimento de São João Baptista, conhecido por Precursor de Jesus. E porquê? Conta S. Lucas que, depois da Anunciação do Anjo Gabriel a Nossa Senhora, este disse-lhe: “E também Isabel, tua parenta, concebeu um filho, na sua velhice, e é este o sexto mês da que chamavam estéril, porque a Deus nada é impossível (Lc 1, 36-37).

Maria Fernanda Barroca
23 Jun 2012

Maria, ao ter conhecimento da gravidez de Isabel, logo que pôde pôs-se a caminho em direção a casa de Isabel.
O que moveu Maria a fazer uma viagem tão longa e cansativa não foi a curiosidade ou a vontade de confirmar o que o Anjo dissera – sentimentos desses são próprios de nós e nunca da Imaculada! Foi para servir e ajudar. São Josemaria Escrivá escreveu: “Não podemos conviver filialmente com Maria e pensar apenas em nós mesmos, nos nossos problemas. Não se pode tratar com a Virgem e ter, egoisticamente, problemas pessoais” (Cristo que passa, nº 145).
Ao chegar, saudou Isabel e esta ficou a saber que Maria trazia no seu seio o Messias tão esperado: “E donde me é dado que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor? Pois logo que chegou aos meus ouvidos o eco da tua saudação, saltou de alegria o menino no meu seio”(Lc 1, 43).
Maria, ao verificar que Isabel sabia do que se passava com Ela, deu largas à sua gratidão, deixando-nos o belo cântico do Magnificat.
João ficou, a partir desse momento, limpo do pecado original, por antecipação dos méritos da Redenção e por mediação de Maria.
Quando morreram os seus pais, Isabel e Zacarias, João dedicou-se à pregação, anunciando que estava perto a vinda do Messias que o povo judeu esperava. É nítida a influência do profeta Elias, não só no modo de vestir, com peles de animais, mas pelo teor dos seus discursos. No Evangelho aparece, em dada ocasião, como o profeta que voltou à Terra, depois de ter sido “arrebatado num redemoinho de fogo num carro puxado por cavalos ardentes”(2 Reis 2, 11), pelas semelhanças que apresentava.
O facto mais marcante na vida de João foi o Batismo de Jesus no rio Jordão. Baptismo de penitência a que Jesus não estava obrigado, por ser o Filho de Deus, mas que quis praticar para dar começo à Sua pregação.
João continuou na sua vida de pregação e penitência, exortando ao arrependimento. Nesta linha de ação, reprovava com veemência o comportamento de Herodes, que vivia em escandaloso adultério com a cunhada Herodíade. Pelas suas palavras, fortes e veementes, lavrou a sua sentença de morte que veio a acontecer por intermédio da filha de Herodíade, sendo degolado na prisão.
João Baptista é considerado, com Santo António de Lisboa e São Pedro, um dos Santos Populares, e a sua festa litúrgica celebra-se amanhã, dia 24, data do seu nascimento, por quase todo o país, nomeadamente na cidade de Braga.
Só Maria, que foi Imaculada na Sua Conceição, tem o privilégio de ver festejado o dia do seu nascimento, a 8 de setembro. São João concebido com o pecado original, por ter sido livre dele antes de nascer, merece da Igreja o mesmo privilégio. A sua morte é celebrada liturgicamente a 29 de agosto.
Os folguedos associados à sua pessoa são pouco consentâneos com o seu modo austero de viver, mas, se conseguirmos dar a esses folguedos um cariz cultural, onde não entram desbragamentos, nada temos a opor. O povo precisa de se divertir e se o fizer de um modo sadio, tudo bem. O divertimento, a festa, faz parte da vida e pode ser um modo de louvar a Deus.




Notícias relacionadas


Scroll Up