Fotografia:
Normas de vida

No ano que corre, completam-se 225 anos sobre a morte de S. Afonso Maria de Ligório, falecido em 1787, com a idade de noventa anos. Este santo da Igreja foi missionário, teólogo, bispo e fundador da Congregação dos Redentoristas para as missões populares, homem que desenvolveu enorme atividade literária durante mais de meio século, onde, frontal e declaradamente combateu o jansenismo e o iluminismo materialista e ateu. Foi canonizado em 1839, Doutor da Igreja em 1871 e padroeiro dos confessores em 1950.

Artur Soares
23 Jun 2012

Num documento a que tive acesso, e comparando-o com outros testemunhos escritos, verifica-se que se tratava de homem inteligente, doutorado em Leis civis e eclesiásticas aos 16 anos, e com dispensa de idade fez durante três anos o estágio de advogado com elevada seriedade, exercendo Direito Civil mais de uma década.
Generoso e delicado com a reta intenção de servir os outros e de os ajudar na resolução de aflições sociais, certo dia traçou a sua norma de vida de forma simples e cheia de seriedade profissional e social, ao escrever doze simples pontos que, neste século XXI, bom seria se os víssemos praticar pelos homens das Leis na sua profissão, pelo que, destaco apenas seis:
– “Nunca aceitarei causas injustas porque são perniciosas para a consciência e a reputação;
– “Não se deve defender uma causa com meios injustos e ilícitos;
– “É necessário o estudo dos processos para deles deduzir os argumentos válidos em defesa da causa;
– “O advogado deve implorar a ajuda de Deus na defesa, porque Deus é o primeiro protetor da justiça;
– “Um advogado que perde uma causa por negligência sua incorre na obrigação de reparar todos os danos causados ao cliente;
– “Finalmente, os predicados dum advogado são a ciência, a diligência, a verdade, a fidelidade e a justiça”.
Segundo o documento que me serve de base à vida do santo e apoiando-me nele, após exercer onze anos como advogado e porque também já era formado em Direito Canónico, substituiu, aos trinta anos de idade, a toga de advogado pela sotaina de sacerdote, em 1726, ordenando-se no mês de dezembro daquele ano, pelas mãos do Arcebispo da sua terra em Nápoles.
Desse modo, conforme tinha escrito doze pontos para sua norma de vida como advogado, fez o mesmo, escrevendo catorze para a sua vida sacerdotal, dos quais destacarei oito:
– “Sou sacerdote. A minha dignidade supera a dos anjos. Devo ter uma suma pureza e, quanto possível, ser um homem angelical;
– “A Santa Igreja honra-me: eu devo honrar a Igreja com a santidade de vida, com zelo, com trabalho, com o decoro;
– “Ofereço Jesus Cristo ao eterno Pai: devo estar revestido das virtudes de Jesus Cristo e preparar-me para tratar com o Santo dos santos;
 – “O povo cristão tem-me como um ministro de reconciliação com Deus: devo ser sempre grato a Deus e gozar da Sua amizade;
– “O justo quer, com o meu exemplo virtuoso, confirmar-se na vida digna e santa: devo dar bons exemplos sempre e a todos;
– “Os pobres pecadores esperam de mim que os livre da morte do pecado: devo fazê-lo mediante as orações, o exemplo, a voz e a vida;
– “O recolhimento, o fervor, a virtude sólida, o exercício da oração, devem ser a minha contínua preocupação, se quero agradar a Deus;
– “Devo procurar apenas a glória de Deus, a santificação da minha alma e a salvação do meu próximo, mesmo à custa da vida”.
São poucos os católicos leigos que sabem o suficiente da vida dos santos da nossa Igreja. Vamos sabendo dos santos que mais falados são, principalmente dos populares e, mesmo desses, tantos pouco sabem como foram as suas vidas apostólicas, entre outras acções.
Tem (sempre) interesse este resumidíssimo resumo da vida que procurou ter S. Afonso Maria de Ligório. Deixou-nos, deixou à Igreja, sem dúvida, vinte e seis pontos de orientação, bem como centenas de escritos que, com toda a sua simplicidade, formam um grande programa de vida que, duzentos e vinte e cinco anos após a sua (dele) vivência como homem de Leis civis e eclesiásticas, nos podem ainda hoje, trazer grandes ensinamentos e valiosas virtudes que, neste século, bem precisas são.




Notícias relacionadas


Scroll Up