Fotografia:
Um Euro atípico

No plano estritamente desportivo, acompanharei este Europeu de Futebol com o mesmo entusiasmo e apreço com que sempre segui as grandes competições internacionais, reiterando a convicção de que “o Mundial sem o Brasil e a Argentina” continuará a ser uma prova espetacular para todos os amantes da modalidade.

7 Jun 2012

Desta feita não houve sequer surpresas de maior no apuramento e estarão presentes as melhores equipas do Continente, representando mesmo os diferentes quadrantes geográficos: os nórdicos (Suécia e Dinamarca), o centro da Europa (França, Alemanha e Holanda), os representantes da Europa do Leste (dos anfitriões –Ucrânia e Polónia – à Rússia, Rep. Checa ou Croácia), os Britânicos e seus vizinhos (Irlanda e Inglaterra), a franja do Mediterrâneo (Portugal, Espanha, Itália e Grécia).
A título individual, sabemos que as sempre arreliadoras lesões (muitas delas de última hora) acabam por privar as diferentes seleções e os espectadores do contributo de algumas das potenciais estrelas da competição (como é o caso de Villa ou Gerrard). Mas há também as opções questionáveis, os castigos e até problemas com a justiça, como aconteceu com o italiano Criscito.    
Seja como for, sobra muita qualidade para proporcionar excelentes desafios, numa competição em que apesar da qualidade reconhecida a várias equipas (mas com vantagem para Espanha e Holanda – as finalistas do último Mundial) tudo pode em tese acontecer.
E, entrando no domínio afetivo da nossa Seleção, é isso que nos pode animar. Afinal, apesar de contarmos com o melhor jogador europeu e com alguns outros jogadores do topo mundial, a equipa tarda em afirmar-se como um coletivo forte e mais parece entregue ao azar do destino que a colocou no “Grupo da morte”, junto com a Dinamarca, Holanda e Alemanha.
Para cúmulo, depois dos resultados e exibições dos últimos particulares, a mesma parece ter perdido a confiança e é já alvo do desprezo dos seus principais rivais.
Ora, numa temporada em que a nível nacional e internacional se viu equipas favoritas a tombarem perante adversários pragmáticos e lutadores nas finais de diversas competições, restar-nos-á talvez aspirar a ser uma espécie de Grécia do Europeu do nosso desencanto.
A este propósito, Portugal parte até para esta competição sem a identificação maciça dos cidadãos nacionais, provavelmente mais entretidos com as agruras do dia a dia do que com o titubeante desempenho da equipa de todos nós.
Aliás, em contraponto à imagem da “Seleção porta-bandeira do orgulho ferido de uma Nação e elemento revitalizador do nosso ânimo coletivo” que se queria promover através de campanhas como a da GALP, parece estar a ter mais acolhimento a revolta contra a opulência exagerada dos nossos representantes (que terão o maior custo de alojamento de entre todos os participantes na prova).
Aqui, para Portugal e muitos outros países presentes não deixa de ser curioso que o esforço para permanecer no Euro seja muito menor no retângulo de jogo do que em outros campos de batalha…
Amanhã, às 17h00, a bola vai começar a rolar. E assim continuará, de forma quase ininterrupta, até à noite do próximo dia 1 de julho. Quanto aos nossos, como na música dos Del Amitri que serviu de hino à participação da Escócia no Mundial de 1998, resta-nos cantar: “Just don’t come home too soon…”

rioric@gmail.com
madeinrr@blogspot.com




Notícias relacionadas


Scroll Up