Fotografia:
O Ribeiro, a Câmara Municipal e a Nossa Senhora de Fátima

Fica aqui uma sugestão para a Câmara Municipal, e ao seu presidente em particular, no sentido de honrar da mesma forma a Nossa Senhora, tendo agora por base outros motivos que não só o futebol. A colaboração da Câmara, fiscalizando e canalizando meios financeiros e logísticos para este espaço, é fundamental, já que é a ultima peça que falta a este puzzle (já abençoado, reforçado pela presença a poucos metros da capelinha de Nossa Senhora de Bom Sucesso?) para que seja devolvida à zona ribeirinha de Adaúfe e Palmeira a dignidade que merece!

N/D
25 Mai 2010

No passado dia 8 de Maio, o Movimento Cívico Defesa do Ribeiro (MCDR) efectuou mais uma acção de limpeza no ribeiro de Pinheirinho nos lugares do Ribeiro e Moinhos, nas freguesias de Palmeira e Adaúfe. A iniciativa, embora contando com um pequeno número de voluntários devido talvez às más condições climatéricas, revelou-se uma das mais profícuas. Isto porque contou finalmente com a participação da Junta de Freguesia de Adaúfe, que, para além da ajuda através da introdução de maquinaria adequada (indispensável para o corte de uma densidade de mato superior a 2 metros de altura), possibilitou a visita do seu presidente, Nélson Gonçalves, que, inclusivamente, participou nos trabalhos de remoção do imenso lixo das margens.

Neste mesmo dia, a acção de carácter ambiental possibilitou o encontro entre os presidentes das duas autarquias locais no pontão que as une naquele local. Este encontro mostrou-se importante, fundamentalmente porque se alinhavaram algumas estratégias no que diz respeito à limpeza e concomitantemente a projecção na zona de um espaço de fruição cultural, patrimonial e área de lazer. Houve, de facto, uma plataforma de entendimento político local que é digna de louvar. Neste mesmo dia este encontro foi “apadrinhado” pela visita informal de Lamas de Oliveira, assessor principal do Gabinete do Litoral Norte – Departamento de Recursos Hídricos do Litoral da ARH Norte. As questões debatidas fazem-nos crer que a consecução dos objectivos formulados pelo MCDR – que passam, entre outros, pela denúncia da poluição das margens, do curso de água e obras indevidas no ribeiro – podem resultar proveitosas. A juntar a este quadro favorável, o MCDR foi contactado por Jorge Miranda, da Associação Portuguesa de Molinologia, que se prontificou a colaborar no sentido de encetar uma candidatura ao PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural), conjuntamente com as autarquias e os proprietários dos vários moinhos existentes no local. Esta candidatura visa preservar aquelas estruturas patrimoniais, bem como permitir a sua refuncionalização para a valorização da tradição cultural local. Mais que tudo, existe vontade desta associação, através do PRODER, valorizar este património na óptica do interesse colectivo, enquanto factor de identidade e atractividade dos lugares do Ribeiro e Moinhos, tornando-o acessível à comunidade.

Perante este quadro interactivo, falta a participação da Câmara Municipal. Não por falta de conhecimento. Eu mesmo, como representante do MCDR, fiz questão de intervir no âmbito da Assembleia Municipal realizada no dia 30 de Abril, salientando a importância que estas questões têm para a sustentabilidade ambiental do meio e o interesse cultural e patrimonial.

O presidente da Câmara, Mesquita Machado, após uma reunião com o seu executivo, prometeu ir a Fátima a pé caso o Sporting Clube de Braga se sagrasse campeão nacional em futebol. Não contesto esta atitude do presidente da edilidade bracarense, até porque é salutar, visto que é notável o papel impulsionador que o clube corporiza para a região minhota ou mesmo para o Norte do país. No entanto, gostava que algum deste empenho do presidente fosse também visível para questões como as que o MCDR defende. Lembro que aquilo que esteve na génese deste movimento e uniu as pessoas de modo a continuar, semana após semana, limpando esta zona e mesmo a realização de um presépio humano com propósitos ambientais na próxima quadra natalícia, foi um pequeno objecto carregado de simbolismo: um prato meio partido com a imagem de Nossa Senhora de Fátima em latão incrustada, que se encontrou debaixo de toneladas de lixo no dia 20 de Março.

Fica aqui uma sugestão para a Câmara Municipal, e ao seu presidente em particular, no sentido de honrar da mesma forma a Nossa Senhora, tendo agora por base outros motivos que não só o futebol. A colaboração da Câmara, fiscalizando e canalizando meios financeiros e logísticos para este espaço, é fundamental, já que é a ultima peça que falta a este puzzle (já abençoado, reforçado pela presença a poucos metros da capelinha de Nossa Senhora de Bom Sucesso…) para que seja devolvida à zona ribeirinha de Adaúfe e Palmeira a dignidade que merece!

[Publicado no DM de 25.05.2010] 




Notícias relacionadas


Scroll Up