Fotografia:
«Nunca mais»

Na qualidade de Presidente do Clube Automóvel do Minho, instituição de Utilidade Pública e Presidente da KIB, S.A, empresa proprietária do Complexo Motorizado de Palmeira, considerado de Utilidade Turística Permanente, li com atenção o artigo publicado na vossa edição de 17/03/2005, sob o tema Cidadania, com o título Nunca Mais e subscrito pelo Senhor José Precioso que sei ser Professor Auxiliar na Universidade do Minho.

N/D
23 Mar 2005

Do Presidente da Direcção do Clube Automóvel do Minho, invocando o “direito de resposta”, recebemos o texto que a seguir se reproduz:
Na qualidade de Presidente do Clube Automóvel do Minho, instituição de Utilidade Pública e Presidente da KIB, S.A, empresa proprietária do Complexo Motorizado de Palmeira, considerado de Utilidade Turística Permanente, li com atenção o artigo publicado na vossa edição de 17/03/2005, sob o tema Cidadania, com o título Nunca Mais e subscrito pelo Senhor José Precioso que sei ser Professor Auxiliar na Universidade do Minho.

Desde já se diga que, para fundamentar o referido artigo o seu subscritor não colheu, por si ou por interposta pessoa, qualquer informação nas instituições visadas no seu artigo. Tal situação evidencia à partida irresponsabilidade e falta de seriedade intelectual.

Ponho em evidência o facto do Senhor Precioso ser professor auxiliar universitário, sendo doutorado em educação, o que se deveria traduzir num especial dever de cuidado e ponderação na sua actuação enquanto cidadão.

Falando de um CARTÓDROMO (vocábulo não existente no dicionário), o artigo em causa, por analogia, quereria designar um local onde se jogam cartas? Seguramente não. Creio, no entanto, entender que o Sr. Precioso se queria referir a um Kartódromo que é um local onde se pratica karting, com um veículo de pequenas dimensões com 4 rodas e motor, que é conhecido por kart.

No entanto, tal situação não será grave. Grave é quando nos questionamos como é possível um indivíduo, de assinalável carreira académica e colocado no mais alto grau do ensino, compara a tragédia que foi o afundamento do Prestige, com consequências ime-diatas e incalculáveis para os nossos vizinhos da Galiza Norte, com um incêndio de cinco mil pneus na Pista de Velocidade de Braga!

Comparar o incomparável é ignorância ou falta de seriedade intelectual!

Analisando o artigo em causa e seguindo os raciocínios do senhor Precioso, noto que pretende, com ligeireza irresponsável, acusar subjectiva e objectivamente as duas instituições CAM e KIB, de terem provocado o incêndio em causa, ateando fogo aos ditos pneus. Ora, tal não é nem nunca foi verdade!!!

A acusação de que somos alvo, construída sobre argumentos falhos de evidências, constitui uma ofensa grave ao nosso bom-nome e dignidade, pelo que será resolvida no local próprio para o efeito.

Mas o infeliz escrito do senhor Precioso não deixa de ser desinformador da opinião pública o que, provavelmente, era a finalidade a atingir. Daí a necessidade de repor a verdade.

O incêndio dos cerca de 5.000 pneus que arderam na noite de 8 para 9 de Março, foi detectado pelo Exmo. Senhor Francisco Andrade, Presidente do Aeroclube de Braga e Director do Aeródromo, que de imediato chamou os Bombeiros. Eu, pessoalmente, tive conhecimento do sinistro, através da informação telefónica do nosso vigilante no decurso dessa madrugada.

Estes pneus, que eram a nossa reserva para ir substituindo, quando necessário, os cerca de 60.000 que temos colocados ao longo da pista, estavam naquele local há cerca de 3 anos. Foram deslocados cerca de 100 metros, há mais de um mês, para se fazer a escolha por tamanhos, retirar os que não tinham aplicabilidade e enviá-los para o Centro de Recolhas de Laúndos, para o que já tínhamos em nosso poder as respectivas guias e encomendado o serviço de transporte.

Esta é a verdade acerca do incêndio recente, como também a verdade do incêndio que consumiu cerca de 30.000 pneus em Setembro de 2001, que foi extraordinariamente penoso para nós, já que todos eles estavam escolhidos e devidamente aparafusados na horizontal e na vertical em grupo a que tecnicamente chamamos six packet.

Neste incêndio de 2001, para além do transporte de pneus, foram destruídas incontáveis horas de trabalho. Trabalho esse, senhor Precioso que tinha sido atribuído aos presos da cadeia de Braga e que nos tinha custado 5.197,47 € em retribuições, mais 1.403,59 € em refeições, 4.638,80 € em deslocações e 519,91 € de seguro.

Ora, para aquilatar do prejuízo objectivamente suportado com esse incêndio é, como já alguém disse, só fazer as contas! O prejuízo sofrido com o incêndio da passada semana ainda não está encontrado, na certeza, porém, que seremos nós e só nós a suportá-lo.

Mas mais senhor Precioso, isto é que é CIDADANIA e que pena não tenha merecido o seu reparo enquanto cidadão! Aproveitar um trabalho suplementar, para possibilitar a alguns presos a integração gradual na sociedade, proporcionando trabalho retribuído, é exercício efectivo de CIDADANIA, na plenitude de direitos mas também de deveres enquanto cidadãos que somos.

Por seu turno, o senhor invade, sem autorização e regularmente, a nossa propriedade para aí fazer exercício físico, sem, no entanto, atentar as mais elementares leis de segurança daquele Complexo Desportivo e do Aeródromo e, ainda por cima, serve-se dos jornais para dizer mal de nós, criando novelas com argumentos falsos e ao serviço não se sabe bem de quê!

CIDADANIA, senhor Precioso é o que nós fazemos. A nossa actividade, dá trabalho directo a 23 cidadãos, e proporciona por ano ao concelho de Braga mais de 45.000 refeições e mais de 20.000 dormidas, sendo nós CAM e KIB, o maior animador turístico da região, sobretudo no que diz respeito a Hotelaria e Restauração.

CIDADANIA, Senhor Precioso é investir num complexo desportivo como o de Palmeira, investimento esse que ultrapassa os 5.300.000 €, e que se traduz na criação de riqueza para a nossa cidade, concelho e país.

O CAM é uma associação e não distribui lucros!

A KIB é uma sociedade anónima criada em 1992, que nunca deixando de enriquecer o seu património, jamais distribuiu dividendos aos seus accionistas!

Quem é o senhor, o que é que objectivamente fizemos ou que evidências têm que lhe permitam denegrir a imagem e a dignidade de tão importantes instituições!

NUNCA MAIS Senhor Precioso se meta no que não sabe e nada faz para saber!

Álvaro Miranda – Presidente da Direcção do Clube Automóvel do Minho e Presidente do Conselho de Administração da KIB, S.A.




Notícias relacionadas


Scroll Up