Fotografia:
Bilhete Postal

Caro Alfredo, ao maremoto da Ásia, que vitimou tantos milhares de pessoas e desgraçou muitas mais, sucedeu logo um terramoto, este de dimensão universal, que dá pelo nome de solidariedade. Todo o mundo se levantou, e de que modo, sobretudo para ajudar aquele sem número de sobreviventes a refazerem a sua vida, na medida do […]

N/D
23 Jan 2005

Caro Alfredo,
ao maremoto da Ásia, que vitimou tantos milhares de pessoas e desgraçou muitas mais, sucedeu logo um terramoto, este de dimensão universal, que dá pelo nome de solidariedade. Todo o mundo se levantou, e de que modo, sobretudo para ajudar aquele sem número de sobreviventes a refazerem a sua vida, na medida do (im)possível.

O pobre povo daquelas terras está desafiado até ao limite das suas capacidades e nós estamos com ele. Estão todos com ele.

Com certeza como tantos, já te puseste algumas perguntas de muito difícil resposta.

Vem logo a primeira que tem a ver com Deus – Amor, que permite e até assiste impávido a toda esta indescritível tragédia. Estamos diante de um mistério. Deus é mistério. Tu és mistério. A natureza é mistério. Deus criou-nos livres e desafiou-nos a dominar a terra com todas as suas forças, o que temos vindo a fazer, só que não com a pressa e o cuidado com que o devíamos fazer.

O homem é capaz de adivinhar a aproximação destas catástrofes e é capaz igualmente de prevenir em grande medida os seus perniciosos efeitos. Que não perca tempo em coisas de somenos importância ou até de má importância, como podem ser os armamentos de guerra, que semeiam destruição e morte.

Por mim, quaisquer que sejam as respostas que encontremos, sempre frágeis, no fim, a única atitude é ajoelhar e rezar: «Creio em Deus Pai Todo-Poderoso»… – E logo vem a segunda pergunta: que fundo inesgotável de bondade e solidariedade existe na alma e no coração das pessoas, que imediatamente se mobilizam para dizerem que estão presentes? – E lá vem de novo o mistério: o mesmo homem que promove guerras e gera discriminações, exploração e ódio, é o mesmo que se deixa explodir em gestos de fraternidade sentida para acudir a estas imensas tragédias.

O mistério sempre o mistério: de Deus, da natureza carregada de majestade e de segredos, do homem com as suas ilimitadas capacidades, com a sua responsável liberdade…




Notícias relacionadas


Scroll Up