Fotografia:
Reconhecimento de uma vida não favor de uma amizade

É um facto, que me parece incontestável, que a classe política e a acção que ela exerce gozam de baixa cotação na opinião pública do país.

N/D
15 Jan 2005

É de justiça dizer que há muita gente competente e séria no mundo político e que caminhos andados e decisões tomadas, ao longo de décadas, mostram a importância da acção política, quando orientada por gente com capacidade e competência e uma séria e inegável dedicação à causa pública.
Para o descrédito a que, lamentavelmente, se chegou e que ameaça trazer surpresas consequentes nas próximas eleições, não se pode assacar a culpa apenas a um órgão da soberania. Todos se entrelaçam nestas relações de causa e efeito. As suas diversas intervenções assim o foram denunciando ao longo do tempo, que, afinal, nem é tão longo como isso.

Porém, agora que muito pode ser visto, no canal da televisão que mostra e relata o que se faz no Parlamento e pela assistência nas galerias, frequentemente cheias de crianças e jovens, ao mesmo tempo que os jornais e os demais canais televisivos mostram e ampliam mais as picardias, que as coisas de interesse, a Assembleia da República e os deputados que a constituem, parecem ter parte importante no conceito pouco elogioso que o povo guarda dos políticos.

No tempo de fazer e desfazer as listas dos futuros deputados, quando apanho a jeito algum responsável partidário, com presumível influência no processo, costumo perguntar-lhe se antes de pensarem e de indicarem nomes, se lêem os artigos da Constituição sobre a missão da Assembleia e o que se espera dos que a compõem.

Não é missão simples, ao representar todos os cidadãos, exercer, com qualidade e competência, a função política e legislativa, vigiar pelo cumprimento da Constituição, fiscalizar e apreciar os actos do Governo e da Administração, não sob uma óptica meramente partidária, mas do bem comum e do interesse nacional.

Sem juízos sobre pessoas concretas, pode ficar a ideia de que há candidatos aos quais parecem interessar mais os artigos que se referem aos seus direitos e regalias. Esta ideia vem ao de cima ao tentar perceber as razões que presidiram à feitura das listas.

Os destroços que ficam pelo caminho, ainda que um tanto manipulados por jornalistas não isentos, mostram, por vezes, a predominância de interesses e favores pessoais, traduzidos em nomes vazios de esperança, arranjos alheios ao que o país espera e precisa, guerras pessoais internas, amuos não contidos, ameaças proferidas, elogios e rebeliões, tudo consoante o vento soprou a favor ou contra.

Os que vêem na política uma saída fácil para a sua vida ou um pedestal esperançoso para as suas ambições, acham-se sempre capazes de ser deputados, na esperança de encontrar aí um ponto de apoio para outros voos, impossíveis pelo caminho do mérito pessoal.

A honestidade tem de ser qualidade comprovada para quem se dispõe a fazer da acção política um caminho para a sua vida. Ela requer lucidez, sentido de serviço, vivência solidária, capacidade de doação, coerência de vida, conhecimento da realidade. O tempo vivido e o modo como se viveu é um teste a verdade de tudo isto.

Poder ser deputado não é um direito, mas um reconhecimento. Neste, a ambição não dispensa a competência e os favores políticos e pessoais não substituem a capacidade requerida.

O cerne do desenvolvimento e do progresso harmónico de um país está mais na Assembleia da República que em qualquer dos outros órgãos da organização do poder político. Será que os eleitores estão convencidos desta realidade?




Notícias relacionadas


Scroll Up