Fotografia:
Nótulas soltas da minha agenda

1Há dias fui interpelado por uma senhora, convidando-me, com insistência, para que escrevesse sobre qual a causa do tsunami do Sudeste Asiático de 26 de Dezembro.

N/D
10 Jan 2005

E porquê este convite? Muito simplesmente por que tem sido “atacada” por Testemunhas de Jeová que relacionavam, ou melhor, pretendiam relacionar aquela catástrofe com um próximo fim do mundo.
Expliquei à referida senhora que o fenómeno é, hoje, facilmente explicável pelo mecanismo da tectónica de placas e que, como já aqui escrevi, se conhece o como e o porquê destes acontecimentos.

Tal como sabemos explicar as trovoadas ou os ventos, também os tsunamis têm uma explicação natural. Por isso, não faz sentido nenhum aterrorizar as pessoas! É um abuso.

Que fique claro: os tsunamis têm explicação; Deus é rico em misericórdia e não um Deus de vingança, ódio e terror!

2. As eleições estão à porta e já mexem as listas. Os lugares nas listas. E assiste-se a cada “coisa”!… Custa-me entender, é uma das minhas muitas limitações, que as listas de um distrito não sejam integradas só por pessoas naturais e/ou residentes nessa área geográfica e que, por isso, são conhecidas, conhecem o território e as pessoas que irão/poderão vir a representar.

Quem segue esta fase pré-eleitoral compreende que muitos cidadãos eleitores não votem!… Depois, há os ódios intra-partidários!… Que imagem negativa passa para os eleitores!…

3. O sistema de ensino colapsou em Portugal. Já nada o pode endireitar. Não tem ponta por onde se pegue. E não é só a colocação de docentes. Nem as atitudes dos ministros da tutela que não se compreendem e muitas nem se podem aceitar…

Como contribuinte estou preocupado com o (mau) uso dos meus impostos no ensino.

4. Dizemos mal de tudo e de todos – mea culpa! Achamos que nada está bem. Juramos que ninguém faz nada bem. Não é verdade! Há muitos sinais positivos na nossa sociedade. Há excelentes profissionais.

A todos os níveis.

Dou um exemplo recente: precisei do apoio dos Bombeiros Sapadores de Braga. Eficientes. Rápidos. Atenciosos. Agradeci-lhes, e agora quero agradecer-lhes publicamente a sua presteza e a simpatia com que responderam ao meu apelo.

Um exemplo a referir de como há sinais positivos nestes tempos conturbados e cinzentos.




Notícias relacionadas


Scroll Up