Fotografia:
Isto só visto!

Por acaso, o meu Amigo Leitor, sabe que, se um dia precisar de chamar a Polícia de Segurança Pública ao seu prédio para pôr um vizinho na ordem, pouco ou nada pode contar com ela?

N/D
9 Jan 2005

Por exemplo, se esse vizinho resolve chateá-lo com a TV nas alturas ou com música da pesada, daquela que abana as colunas do prédio, e de noite, você terá de esperar que a Câmara Municipal trate do assunto! E como? E quando?
E o meu Amigo continua, completamente, ameaçado nos seus mais elementares direitos de cidadania! Continua com as suas noites transformadas num inferno!

Vamos a factos. Num prédio da rua Dr. Elísio de Moura, nesta angusta cidade, está a acontecer um caso desses. O morador dum segundo andar faz no apartamento criação de cães, chegando, por vezes, este a transformar-se num autêntico canil!

Ora, porque sujeitos a um viver quotidiano em espaços tão exíguos, e em cativeiro pois nunca saem à rua, para além dos maus cheiros que, naturalmente, exalam, estes animais manifestam-se, furiosamente, quer de noite, quer de dia, quando pressentem a presença no prédio de qualquer inquilino ou pessoa estranha!

Além disso, e para complemento da festa, possui o mesmo morador, no logradouro, um galinheiro, que é foco de insalubridade pública e pasto da mais heterogénea bicharada (moscas, moscardos, mosquitos, ratos, ratazanas…).

Imagine-se o meu Amigo Leitor na pele dos moradores deste prédio!

Pois bem, já foi chamada a Polícia mais de uma vez, altas horas da noite, porque a canzoada resolveu acordar todo o prédio. Ou porque o dono lhe apetece ou não domina a bicharada!

E sabe o que ela faz? Toca uma, duas, três vezes à campainha do referido andar (obviamente que ninguém responde e muito menos abre a porta), identifica os queixosos, diz que vai participar à Câmara Municipal e Boa noite! E até à próxima!

(que pode muito bem ser já na noite seguinte).

E a cena já se vem repetindo vai para três meses e os inquilinos esperam e desesperam que as participações da Polícia à Câmara produzam efeito! Se é que algum dia, descrentes como todos andamos da eficiência dos serviços públicos, elas os irão produzir!

Que tal, meu Amigo? Gostou do que leu? Tinha a verdadeira noção de como as coisas estão neste jardim à beira-mar plantado?

Muito sinceramente, cá por mim, sempre pensei que a Polícia não estava tão frouxa e era ainda para os cidadãos a melhor garantia da manutenção da ordem, da disciplina, da educação, mesmo dentro dos prédios! Mas, declaradamente, as amplas liberdades, por aí, há longo tempo, tão apregoadas, estão, agora, a dar os seus verdadeiros frutos!

Perguntam os moradores deste prédio, embasbacados, desesperados e contusos:
– Afinal, que país é este? Quem nos garante o bem-estar e a tranquilidade nocturnos? Para onde caminhamos?

Isto só visto, Amigo Leitor! Contado, ninguém acredita!




Notícias relacionadas


Scroll Up