Fotografia:
A rapaziada

Há um vício quase generalizado: o de avaliar as pessoas consoante o posicionamento político destas. Foi, é e arrisco a profetizar que sempre assim será.

N/D
9 Out 2004

Porém, uma qualquer ocorrência pouco prevista poderá alterar ocasionalmente, não se sabendo ao certo por quanto tempo, essa forma de avaliação algo doentia.
O analista televisivo professor Marcelo de Sousa é bem um exemplo dos que remam contra a maré do “sim, senhor ministro”. Para ser digna desse nome (analista político), a personalidade que aceita essa missão deve primar pela melhor isenção.

Não digo total, porque o realismo me obriga a afirmar que a isenção total não existe. Todos nos identificamos com algo e o facto faz com que percamos um razoável grau de isenção.

Como que avaliando o percurso analítico de MRS, situo-o numa escala elevada de valorização. Um verdadeiro analista não tem que ser simpático para quem se situa na órbita do poder ou da oposição.

Terá de analisar os acontecimentos, não com olhos ideológicos, mas sim com olhos de ver, à luz da realidade ocorrente e não ao sabor do seu pensamento político. Para falar pela voz do chefe político, já bastam os deputados quando intervêm no parlamento, revelando a negação do conceito de liberdade.

Dissertando sobre duas datas distintas, tendo como factor comum o analista MRS, avaliemos algum eco da primeira: comentando algo desagradável para com o Partido Socialista, extraído de um programa analítico do professor, António José Seguro, afirmou textualmente, com o propósito de desvalorizar «isso são as rapaziadas habituais do professor Marcelo de Sousa».

Foi uma forma não só deselegante como despropositada! Quem é o deputado José Seguro para falar assim de MRS?

O citado socialista nunca soube o que é sacrifício para ser alguém na vida. Viveu sempre na abundância, à custa do voto do eleitorado. Se a política, também é uma ciência, então o citado socialista, não o nego, é um bom cientista dessa área.

O tempo, às vezes, é mesmo inexorável. Certa rapaziada, que em tempos depreciou, anda eufórica com algumas análises produzidas pelo analista MRS! E a origem, é simples: só os incautos não conseguem descortinar.

Sem pretender ajuizar se lhe assiste ou não de todo razão nas críticas que vem fazendo ao governo actual, a verdade é que o professor vem disfarçando muito mal o facto de não ter perdoado ao seu amigo Pedro (a frase é do próprio), o facto de Santana Lopes ter obtido êxito na câmara de Lisboa.

Uma acutilância algo excessiva por parte do professor, para com o seu amigo Pedro, nos parece dizer que MRS ainda não digeriu suficientemente, o seu fracasso, quando se candidatou ao município lisboeta. Não obstante, considero-o um bom analista.

NR: Texto recebido em finais de Setembro: por isso, antes da polémica que agora envolve o comentador e extremou os campos




Notícias relacionadas


Scroll Up