Fotografia:
Há alunos que merecem o nosso louvor

É salutar ver-se uma grande percentagem de alunos, ao longo deste nosso país, que durante a sua carreira estudantil se dedica, trabalha, colabora com os seus docentes na prossecução de atingir as suas metas, indo ao encontro dos seus cursos preferidos, entrando na área vocacional que esses discentes sempre almejaram.

N/D
18 Set 2004

Acabam o Ensino Secundário com elevado êxito, atingindo classificações meritórias, fruto de uma dedicação louvável e digna de nota, exemplo para aqueles que nada fizeram para atingir esses fins, ficando cientes que, para atingir qualquer intento, é preciso cumprir tudo o que é exigido para lá chegar.
Não é passar o tempo a desrespeitar os professores, não ligar aos conselhos dos pais/encarregados de educação, estar sempre desatentos nas aulas e não estudando, andando apenas a passear os livros, que se chega seja onde for. Deixem de pensar que são “meninos engraçados” quando não cumprem o dever! Mais tarde arrependem-se, mas já não vão a tempo, ficam apenas a ver os seus colegas satisfeitos pelo dever cumprido. Ganhem juízo e lutem pelo vosso próprio futuro!…

É admirável consultar as listas dos alunos colocados, sobretudo em determinados cursos, e ver-se ali estampado o seu grande empenhamento em todo o percurso da sua carreira académica. Não se pode afirmar, generalizando, como já tenho ouvido, que hodiernamente os alunos não estudam, não aprendem, não sabem nada. É completamente falso. Temos, felizmente, discentes com muito talento, com muita cultura que desejam ir cada vez mais além à procura de um saber constantemente mais aprofundado.

Sempre houve e haverá jovens pouco motivados e outros com falta de capacidades, mas não podemos culpabilizar a grande maioria dos agentes educativos que tudo faz para que os seus educandos tenham o sucesso desejado. O ensino é obrigatório e há estudantes que desejariam enveredar por uma via mais profissionalizante e, por muito que se faça, não é possível virar essa tendência enquanto não lhes der essa oportunidade.

Felizmente, já estão a aparecer escolas profissionais, cursos e até projectos nas próprias escolas onde os alunos estudam, que vão de encontro às suas verdadeiras aspirações, dando óptimos resultados, alcançando-se objectivos inquestionáveis: alunos com níveis de desempenho muito desejáveis, mesmo naquelas disciplinas mais teóricas onde sempre revelaram grandes dificuldades, porque estão inseridos numa área que gostam e com perspectivas para o seu futuro.

Tenho imensa pena daqueles alunos que se esforçam, que fazem tudo por tudo para alcançar determinados fins e não conseguem e que podiam também ser óptimos profissionais. Por vezes, não é uma nota muito elevada que vai definir o desempenho de um determinado candidato em qualquer curso e consequentemente na sua actividade profissional.

Uma elevada percentagem de alunos baixou nos exames nacionais, sendo alguns com médias altas no Ensino Secundário e tenho a certeza que se empenharam, estudando para as suas provas no final do ano, mas contingências que não estavam à espera obrigaram-nos a optar por outros cursos que não seriam, com certeza, os mais pretendidos.

Parabéns àqueles que conseguiram atingir os seus objectivos com todo o mérito, tendo em linha de conta o esforço dispendido, a sua dedicação, o cumprimento do dever de um estudante e a responsabilidade demonstrada ao longo das aulas.

Parabéns, ainda, ao profissionalismo dos professores que souberam encorajar os seus alunos, orientando-os no processo de ensino/aprendizagem. Há docentes que marcam a vida de um aluno, não só pela positiva, mas também, em alguns casos, pela negativa e, por isso, há que fazer tudo por ser um bom pedagogo, para que os educandos sejam bem orientados e singram na vida com sucesso.




Notícias relacionadas


Scroll Up