Fotografia:
Heróis transgénicos

O segundo lugar de Francis Obikwelu na final dos cem metros em atletismo nos Jogos Olímpicos, no passado dia 22 de Agosto, significou mais do que um feito histórico para a modalidade no nosso país: esta façanha representa uma vitória de quantos – e são largos milhares – escolheram Portugal para viver e até vencer.

N/D
30 Ago 2004

Com efeito, o velocista de origem nigeriana começou nas obras a aventura de imigrante, tendo sido acolhido, apoiado e incentivado por tantas pessoas que acreditaram no seu valor como homem e só posteriormente – vimo-lo por entre lágrimas e regozijo modelado – como campeão e ao qual muitos se irão encostar para aparecerem!

De facto, o conceito de nacionalidade está a mudar. Agora pode-se nascer num país/nação e adoptar outro/a para viver e/ou afirmar-se. Já tínhamos visto esta temática no campo do futebol, como, por exemplo, na selecção nacional francesa, onde alguns apelidos portugueses têm feito furor…

Noutras áreas da vida social é habitual encontrar pessoas que sentem impregnada na alma a nova identidade, assumindo com valentia a terra que lhes deu nova força de vida e até sentido de existência. Quem contactar com emigrantes na Europa ou na América verá que a gratidão marca a simbologia de muitos portugueses.

Nalgumas situações as bandeiras lusa e a do país de acolhimento flutuam à porta de casa, corroborando assim a dupla nacionalidade se não civil pelo menos cívica.

* Temos de saber descobrir em todo este complexo mundo da mobilidade virtudes e desafios, onde, em cada momento, cresce (ou deve crescer) a descoberta de facetas diferentes de riquezas humana, psicológica e espiritual.

* É urgente estar capaz de perceber a capacidade de adaptação com que tantas pessoas lutam em busca de um futuro melhor para si e para quantos sentem ao seu cuidado.

* Na medida em que estivermos atentos a quantos saem ou chegam assim construiremos uma sociedade mais pluralista e aberta à complementar diferença.
Se há quem explore (económica e socialmente) os imigrantes, mas também há quem se tente aproveitar com a sua defesa, até alguns cristãos. Os nossos heróis são agora uma bofetada de luva branca nuns e noutros. Que Obikwelu & companhia sejam a melhor promoção do espírito português, tanto cá dentro como lá fora!




Notícias relacionadas


Scroll Up