Fotografia:
Educar – A arte por excelência (4)

É óbvio que o conceito de Educação, no sentido lato, é hoje mais amplo quanto ao tempo ou à idade (educação pré-escolar, escolar, de adultos e da terceira idade – ou seja – educação permanente), ao lugar ou espaço (família, escola, grupo, etc), aos conteúdos (ed. física, psíquica, cognitiva, afectiva, volitiva, social, ética, ecológica, transcendental – educação holística), aos métodos (mais ou menos activos, utilizando inclusive as novas tecnologias).

N/D
18 Ago 2004

Porém, a acção educativa, como processo dinâmico, exerce-se ao longo de todo o percurso da existência humana (o homem é um ser educando e educável sempre e em toda a parte).
A educação pressupõe (e deve respeitar) a unidade psicossomática do homem enquanto determinada e orientada pela razão como faculdade livre do espírito.

A educação da criança ocupa a primazia entre todos os meios de que podemos dispor para refazer homens probos, aspirando a viver plena e coerentemente com os princípios integrantes da essência da sua natureza.

Já dizia Leizniz que “quem reformar a educação reformará o mundo”.

Num sentido mais restrito, a educação pode confinar-se topográfica e cronologicamente. O primeiro espaço educativo é a família, logo seguido da escola, não olvidando a Igreja, cuja missão, nesta área, é um direito fundamental, insubstituível e inalienável, pois assenta na própria natureza do homem, devido à sua dimensão social e religiosa.

Estas instituições devem visar a educação integral, cabendo à escola uma incidência particular na área cognitiva ou instrumental. No entanto, o tempo educativo por excelência abrange a infância e a adolescência.

É neste contexto que a Psicologia da Educação assesta as suas investigações essencialmente no espaço e no tempo escolares, sem, contudo, menosprezar outras instâncias educativas, cuja colaboração e acção devem dirigir-se para a causa comum que é a promoção do educando, a todos os níveis, em ordem à sua perfeição e felicidade.

Ainda quanto ao tempo ou idade, é consensual que a educação incide, particularmente, na primavera da vida, altura em que o educando é mais moldável e susceptível de ser ajudado a desenvolver-se em todas as dimensões, mas na convicção consciente de que a pessoa, em qualquer etapa da vida, deve progredir até a maturidade plena.




Notícias relacionadas


Scroll Up