Fotografia:
A Caridade de Cristo para com os migrantes (3)

34. A Igreja vence as barreiras e as divisões ideológicas ou raciais e proclama a todos os homens e culturas a necessidade de buscar a Verdade, numa perspectiva de justo confronto, de diálogo e do acolhimento recíproco. […]

N/D
12 Ago 2004

35. Encontramo-nos diante de um pluralismo cultural e religioso jamais experimentado. […]

36. Esta fluidez cultural torna indispensável a “inculturação”, porque não é possível evangelizar sem entrar em profundo diálogo com as culturas. […]

A Igreja do Concílio Ecuménico Vaticano II

37. Na visão do Concílio Vaticano II, a Igreja realiza o seu ministério pastoral enquanto Comunhão, Missão e Povo de Deus. […]

38. Assim, as opções pastorais específicas para o acolhimento dos migrantes podem ser assim delineadas: cuidado de um determinado grupo étnico ou ritual; necessidade de salvaguardar a universalidade e a unidade; dar importância à língua materna dos migrantes, através da qual eles exprimem a sua mentalidade e cultura.

Hospitalidade e solidariedade

39. […] Os cristãos devem ser promotores de uma autêntica cultura de hospitalidade. […] respondendo ao convite de São Paulo: “Acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo vos acolheu, para a glória de Deus” (Rm 15,7).

41. Por isso, a Igreja do país de acolhimento deve sentir-se interessada e mobilizada em relação aos migrantes. […]

Liturgia e religiosidade popular

44. Os fundamentos eclesiológicos da pastoral dos migrantes também ajudarão a aproximar-se de uma Liturgia mais atenta às dimensões históricas e antropológicas das migrações, para que a celebração litúrgica se torne expressão viva de comunidade de fiéis que caminham “hic et nunc” nas vias da salvação. […]

Migrantes católicos

49. […] Aos demais desenraizamentos (da terra de origem, da família, da língua, etc.), aos quais a expatriação necessariamente submete, não se deveria realmente acrescentar também aqueles do rito ou da identidade religiosa do migrante.

50. Portanto, em presença de grupos particularmente numerosos e homogéneos de imigrantes, esses devem ser encorajados a manter a sua própria tradição católica específica. […]

Migrantes de outras Igrejas e comunidades eclesiais

56. A presença cada vez mais numerosa de imigrantes cristãos que não estão em plena Comunhão com a Igreja católica oferece às Igrejas particulares novas possibilidades de viver a fraternidade ecuménica. […]

Migrantes de outras religiões

59. […] A Igreja, também para os imigrantes não cristãos, compromete-se com a promoção humana e com o testemunho da caridade que, em si mesmo, já tem um valor evangelizador, apto a abrir os corações ao anúncio explícito do Evangelho, feito com a devida prudência cristã e total respeito da liberdade.
[…]

Quatro pontos particulares

61. Para evitar equívocos e confusões, consideradas as diversidades religiosas que reciprocamente reconhecemos, por respeito aos próprios lugares sagrados e, também, à religião do outro, não consideramos oportuno que os edifícios católicos sejam colocados à disposição dos membros de religiões não cristãs, e que sejam usados para conseguir aceitação de reivindicações dirigidas às autoridades públicas. […]

62. Também as escolas católicas não devem renunciar às suas características peculiares e ao próprio projecto educativo, orientado com princípios cristãos, […]

63. No que se refere ao matrimónio entre católicos e migrantes não cristãos, este deverá ser desaconselhado, se bem que com intensidade diversificada segundo a religião de cada um, com excepção em casos especiais, conforme as normas do Código de Direito Canónico. […]

64. […] Reveste-se de grande importância o princípio da reciprocidade, entendida não como uma atitude puramente reivindicativa, mas, sobretudo, como relação fundamentada no respeito recíproco e na justiça dos tratamentos jurídico-religiosos. […]

Migrantes muçulmanos

65. Emerge hoje a presença de imigrantes muçulmanos, aos quais este Conselho Pontifício dirige também a sua solicitude. […] Trata-se de distinguir, nas doutrinas e práticas religiosas e nas leis morais do Islão, aquilo que pode ser compartilhado daquilo que não o pode ser.
[…]

O diálogo inter-religioso

69. As Sociedades hodiernas […] exigem dos católicos uma convicta disponibilidade ao verdadeiro diálogo inter-religioso. […] Porém, o diálogo entre as religiões não deve ser entendido somente como busca de pontos comuns para construir juntos a Paz, mas como ocasião para recuperar as dimensões comuns no seio das próprias comunidades. […]

Contudo, deve ser para nós irrenunciável o anúncio, explícito ou implícito, segundo as circunstâncias, da salvação em Cristo, único mediador entre Deus e os homens.




Notícias relacionadas


Scroll Up