Fotografia:
E nós?

«O principal perigo para a democracia não está na qualidade dos actores mas no cinismo do auditório», escreve João César das Neves no “DN”, criticando os ataques feitos a este Governo ainda antes de começar a governar. Acompanho-o na crítica.

N/D
30 Jul 2004

Os portugueses são muito exigentes em relação aos outros – a começar pelo Governo – mas serão igualmente exigentes em relação a si próprios?

Todos criticamos os ministros, as suas fraquezas, os seus erros, a sua incompetência.

Mas será que cada um de nós é isento de erros e inteiramente competente naquilo que faz?

Admitamos que os governantes são maus governantes; mas nós seremos bons cidadãos?

Cumprimos as nossas obrigações?

Respeitamos os limites de velocidade nas estradas e auto-estradas e os sinais de trânsito?

Declaramos escrupulosamente ao fisco tudo o que ganhamos e não fazemos nenhuma tentativa para pagar menos impostos?

Votamos nas várias eleições?

Não deitamos papéis para o chão na via pública, nem despejamos os cinzeiros do carro na rua, nem cuspimos nos passeios?

Preocupamo-nos em colocar o papel, as garrafas e as embalagens nos contentores próprios, para facilitar a selecção do lixo?

Damos sangue?

Há países em que os cidadãos começam por ser exigentes em relação a si próprios antes de criticarem o Governo.

Em Portugal sucede exactamente o contrário: começamos a criticar o Governo antes de cumprirmos as nossas obrigações de cidadania.

É evidente que aqueles países estão muito mais à frente do que nós.




Notícias relacionadas


Scroll Up