Fotografia:
Concordata 2004

Este é um dia histórico. Seja qual for a distância e a temperatura a que se observe

N/D
21 Mai 2004

O jornalista é um operário de palavras, sons e imagens condenado a trabalhar a altas temperaturas. Precisa ver, observar, sentir e depois, sobre o dito e o feito, escreve reflexivamente, com o pormenor da primeira fila, a panorâmica certa do écran e a sensibilidade inteligente de quem está longe e perto, e depois arriscar a reflexão que é muito mais que o comentário de superfície ou um desdobramento da narrativa.

A mim próprio digo tudo isto, no meio de um dia pleno de emoção e cansaço. Desde manhã a expectativa da Sala Régia, uma enciclopédia de dez séculos de cristianismo testemunha de encontros e desencontros entre a Igreja, e uma série bizarra de reis e imperadores que sempre lhe exigiram e por vezes usurparam o seu melhor.

Estamos no século XXI onde tudo parece diferente mas onde há semelhanças no coração da Igreja e no coração do mundo.

Afinal é o meu país, que amo, e a Igreja que amo e sou, que ali estão, para assinarem um tratado que sucede a um acordo com mais de 60 anos num universo político, cultural e religioso inteiramente diferentes. Aconteceu o Concílio e aconteceu o 25 de Abril. E como disse o Patriarca de Lisboa à Agência Ecclesia, «ao contrário da Concordata anterior que foi fruto de um conflito prolongado, esta nasceu da paz e de uma grande vontade de cooperação entre o Estado português e a Igreja Católica».

A palavra do Papa na Sala Clementina, o encontro com o Primeiro-ministro na Biblioteca Privada e, finalmente, o cumprimento pessoal de João Paulo II a cada um dos presentes constituíram uma celebração de “Concordata” entre a Igreja bimilenar e o Portugal histórico tudo, junto a cansaços, jejuns e confusões de satélites, com urgência de escrever sobre o joelho.

Este é um dia histórico. Seja qual for a distância e a temperatura a que se observe.

Dia da assinatura da Concordata 2004




Notícias relacionadas


Scroll Up