Fotografia:
O contrato entre o padeiro e o pastor

Conta-se que um padeiro e um pastor serrano fizeram um contrato vantajoso para ambas as partes. À fartura de pão, num caso, correspondia o excesso de queijo, no outro. De modo que convieram, semanalmente, trocar entre si cinco quilos de pão por igual peso de queijo. O acordo durou sem problemas durante um ano.

N/D
6 Abr 2004

Até que, numa ocasião, o pastor, ao passar pela padaria com um dia de atraso em relação ao previsto, deixou a sua encomenda a um dos filhos, pedindo desculpa pela demora devida a circunstâncias ocasionais e confirmando que já tinha, no dia anterior, recebido pontualmente a remessa de pão que o pai lhe deixara nessa semana.
O rapaz desconfiou do peso dos queijos que tinha diante de si. E não deixava de ser razoável a sua suspeita. Em vez de cinco quilos, a balança acusou apenas 3,5 kg. Necessariamente, quando o pai chegou a casa, contou-lhe o sucedido.

Inflou o peito o padeiro, puxou do seu burro que montou, e ei-lo a subir as alcandoradas encostas da serra para pedir satisfações ao pastor. Viu-o no meio do seu rebanho, que pastava num lugar propício para essas funções, mesmo ao lado do casebre onde se refugiava em dias de intempérie e guardava alguns apetrechos da sua labuta.

Não lhe disse bom dia nem boa tarde. Atirou-lhe, com a velocidade da pedra da funda do rei David, um discurso sonoro e peremptório: «Neste mundo já não há religião… Pensei que fosse um homem honesto e saiu-me um belo trafulha!» O pastor afagou perigosamente o seu cajado, o que fez o padeiro estremecer um pouco. Mas concluiu a sua censura: «Quando é que 3,5 kg de queijo podem pesar 5 kg de pão?»

O pastor, que era homem solitário dado à reflexão, concordou: «Neste mundo, nunca. Só por milagre…».

O padeiro ganhou coragem e explicou-se: «Pois foi o que o senhor me fez, nesta semana… Só me entregou 3,5 kg de queijo… Os santos da sua devoção não quiseram o milagre… Pesei a encomenda que me mandou…».

«Então – replicou o pastor – é por isso que vem essa história toda dos 3,5 kg de queijo e dos 5 kg de pão… Mas não será mesmo assim?»

O padeiro discordou taxativamente. O outro convidou-o com serenidade: «Entre ali no meu casebre… Quero mostrar-lhe uma coisa…»

O padeiro seguiu-o, um pouco amedrontado, olhando com desconfiança para o cajado que o seu interlocutor manejava na perfeição. O pastor compreendeu tais receios e largou-o sobre um pequeno rochedo, antes de entrar no casebre.

«Entre… Não tenha medo…». E apontou para uma velha balança de pratos, algo enferrujada, que se encontrava, ali, a um canto. «Vê esta balança?»

«Não sou cego», respondeu-lhe o padeiro com certo azedume.

«Ainda bem…», observou o outro, sempre com tranquilidade.

«Pois, caro amigo, é nela que eu peso os queijos que lhe envio todas as semanas…»

O padeiro achou estranho não ver os pesos, pelo que perguntou: «Como pode fazer isso, se eu não vejo pesos…?»

«Aí é que está o problema. Como não os tenho, ajeito-me deste modo. Quando recebo a sua encomenda de pão, ponho-a sobre um dos pratos da balança. E depois, vou juntando queijos no outro até os pratos ficarem equilibrados…»

O padeiro engoliu em seco. E o pastor observou-lhe: «Lá muito instruído não sou. Se calhar, é porque é possível que 5 kg de pão pesem tanto como 3,5 kg de queijo…» E concluiu filosoficamente: «Ele há coisas no mundo que ainda estão por explicar… A gente sabe muito poucas coisas desta vida…»




Notícias relacionadas


Scroll Up