Fotografia:
Outras consequências do terror!…

Na última quinta-feira, dia 11 de Março, a Espanha, a Europa e o Mundo foram abalados pelo ataque terrorista de Madrid que vitimou centenas de inocentes. A onda de revolta pelo hediondo crime foi-se propagando e um sentimento de raiva, de angústia, de sobressalto e de medo percorreu de imediato todo o país vizinho e do modo geral todos os países civilizados.

N/D
16 Mar 2004

Pela proximidade, pelos laços históricos e porque no nosso país ocorrerão a breve prazo dois grandes acontecimentos susceptíveis de poderem ser alvo desse fanatismo cego, as emoções, dúvidas e inquietações foram-se apoderando dum modo geral de cada um dos portugueses.

Este terrível acontecimento constitui um alerta para as autoridades portuguesas, primeiras responsáveis pela segurança do Euro 2004 e do festival Rock in Rio que decorrerão no nosso país, mas também um aviso sério para os governos dos restantes países europeus a quem se pede coordenação e empenho no combate a uma praga que é a antítese do que a Humanidade conseguiu sobre o ponto de vista civilizacional nas últimas décadas.

No caminho que é necessário percorrer com firmeza e cooperação empenhada de todos não pode haver lugar para divisões que obviamente enfraquecerão o objectivo principal que é dar combate sem tréguas ao inimigo cobarde que em última instância poderá pôr em causa muitas das conquistas alcançadas pela liberdade e democracia sedimentadas no século XX. Se assim não for, e se continuarmos a assistir a crimes idênticos ao de Madrid, rapidamente poderão germinar um pouco por todo lado sentimentos de intolerância rácica e reli-giosa de consequências imprevisíveis.

Será um caminho de regressão no que de melhor e mais genuíno nos proporcionou esta ordem em que vivemos e será um mergulho no passado preenchido de velhos fantasmas que julgávamos banidos para sempre.

Aos governos dos países e aos líderes da Europa cabe a missão de conduzir um combate que simultaneamente dê uma luta sem tréguas ao terrorismo e preserve o Velho Continente como espaço de liberdade, onde a raça ou a religião não seja motivo de constrangimento ou discriminação. Com esperança aguardemos que o futuro próximo nos permita afastar estas e outras dúvidas que pairam em muitos espíritos.

Nesta luta pela salvaguarda da civilização de que nos orgulhamos não se devem esquecer as causas próximas mais profundas que nos conduziram a este estado. Ninguém terá dúvidas que estas enraízam profundamente no conflito israelo-árabe. Este, paulatinamente, tem sido a razão profunda de muitas guerras e outros conflitos que fazem perigar a paz mundial.




Notícias relacionadas


Scroll Up