Fotografia:
Nótulas soltas na minha agenda

1. Sou, sem margem para dúvidas contra o projecto de Constituição Europeia. Totalmente. Sobretudo porque não quero que o meu país perca a sua soberania já de oito séculos e meio.

N/D
25 Out 2003

Não somos nem a Alemanha construída à força no século XIX nem a Itália que tem a mesma idade e origem. Temos uma identidade que nos orgulha, apesar de, como povo, estarmos a perder a memória colectiva graças a um sistema de ensino que há 40 anos procura apagar nos mais novos o nosso percurso.
Sou a favor do referendo. Incondicionalmente. Votarei contra o projecto de constituição.

2. A beatificação de Madre Teresa foi rápida. Ainda bem. Em pessoas tão cheias de Evangelho, pregado pela Sua vida, como Madre Teresa, até se poderia dispensar o milagre necessário e exigido pelo actual Direito Canónico.

Madre Teresa esteve sempre onde devia estar: com os excluídos mais excluídos e com os pobres mais pobres.

3. Quando será que os portugueses poderão começar a andar com mais confiança e mais auto-estima?

4. … Por este andar, creio bem que qualquer dia as vítimas do “Caso Casa Pia” ainda vão parar à cadeia…

Temos reparado que aquelas crianças e jovens vítimas de abuso inqualificável estão a cair no esquecimento? Ando preocupado.

5. Ando preocupado, também, com o que se está a tecer à volta da Justiça em Portugal. Defendo a separação de poderes e a liberdade de cada um o exercer de acordo com a Lei.

6. É importante e fundamental que os media tenham total liberdade. Informem e formem atendendo ao bem comum. Com os limites do bom senso, do respeito por cada pessoa e pelos valores que nos caracterizam como povo.

7. Como se explica que haja vinte e tal mil licenciados vocacionados para a docência e ainda haja horários por preencher dois meses depois do início do ano lectivo?

8. … E já agora, por que há escolas (eu conheço!) que colocaram as aulas de Religião e Moral Católica completamente isoladas das restantes disciplinas?

9. Quando algo só já vai ” à canelada”, suspeito que, qualquer dia, Portugal se transforme num vasto campo de futebol sem regras e que os portugueses tenham que se proteger com… caneleiras. Ou deixando de jogar, definitivamente. Obviamente que não está em questão o Euro 2004. O que, de facto está a ameaçar uma crise profunda é a participação nos actos eleitorais que se avizinham!

Há tantos portugueses que não querem levar caneladas!…




Notícias relacionadas


Scroll Up