Fotografia:
Hollywood contra a vida

As estrelas de Hollywood financiam há anos com quantias significativas o lobby pró-aborto – alarmam os defensores da vida americanos. Entre os patrocinadores das campanhas de organizações abortivas estão os mais conhecidos realizadores e actores da “fábrica de sonhos” californiana.

N/D
4 Set 2003

O grupo de actores e realizadores americanos ligados à chamada “ala esquerdista” de Hollywood tornou-se a principal fonte de patrocínios para a campanha eleitoral dos candidatos de convicções pró-abortivas – informa a agência Talon News, relacionada com as organizações de defesa da vida dos EUA.
As estrelas de Hollywood são para o lobby abortivo uma preciosa fonte de “doa-ções políticas”.
Segundo o relatório da Talon News, o realizador Steven Spielberg doou desde 1997 cerca de 155 mil dólares, uma generosa quantia destinada a apoiar programas de propaganda pró-aborto. Esta quantia inclui 100 mil dólares depositados na conta do Comité Nacional dos Democratas, 5 mil dólares para a organização dos “Eleitores pela Escolha Livre/Amigos do Planeamento Familiar” e 2 mil dólares para vários aliados políticos de Bill Clinton no parlamento.

Um dos mais generosos patrocinadores das campanhas pró-abortivas é Tom Hanks – a estrela do cinema americano entregou por intermédio do Comité dos Democratas ao senador Diane Feinstein e ao ex-vice-presidente Alow Gorow um total de 14 mil dólares.

Nas fileiras desta guerra contra a vida, um novo doador surgiu este ano: o actor Tom Cruise, que entregou recentemente mil dólares a favor de Barbara Boxer, senadora do estado da Califórnia conhecida como fervorosa partidária do “direito” ao aborto.

Por sua vez, a actriz Susan Sarandon doou mil dólares a Howard Deanow – o mais pró-aborto entre os candidatos à presidência, conhecido pelas suas opiniões feministas. A própria Sarandon é conhecida pelas suas intervenções públicas especialmente críticas o presidente George Bush pelas medidas aplicadas por este em defesa da vida.

A Talon News teve acesso igualmente a documentos que indicam ter uma outra famosa estrela de Hollywood, Barbara Streisand, depositado mil dólares na conta de Boxer, 8 mil a favor do Comité para a campanha dos Democratas no Senado e mil dólares para cada candidato deste partido empenhado na linha pró-abortiva.

O relatório da Talon News vem confirmar uma tendência conhecida de há muito nos EUA. A chamada ala esquerdista sempre foi muito forte em Hollywood.

Nos anos 30 o mundo do cinema atraía a Los Angeles muitos intelectuais de simpatias comunistas, activistas como por exemplo Deshell Hamnett. Numerosos emigrantes da Europa em guerra, encontrando refúgio em Hollywood, trouxeram consigo a simpatia pela União Soviética e a fé nos ideais de esquerda. A dimensão deste fenómeno foi limitada nos anos 50 pela comissão McCarthy.
Foi então que surgiu a lista negra de criadores e actores que foram afastados da produção cinematográfica. McCarthy cometeu erros que depois foram facilmente usados contra ele, mas a sua diagnose sobre a infiltração soviética em Hollywood acabou por ser confirmada com o acesso aos arquivos soviéticos. Esta confirmação não alterou, contudo, o facto de a sua comissão continuar a ser hoje apresentada como exemplo de práticas fascistas.

Nas duas últimas décadas a “ala esquerdista” da “fábrica de sonhos” tem intensificado actividades. Para os democratas americanos, cada vez mais situados à esquerda, o apoio de actores famosos é uma ajuda preciosa nas campanhas eleitorais.

Muitos actores tomaram parte na campanha eleitoral de Bill Clinton, protestaram contra a guerra no Iraque, e hoje encorajam Hillary Clinton a candidatar-se para as próximas presidenciais.

O universo de Hollywood tem predisposições naturais para o fascínio esquerdista. Entre os actores – em consequência da especificidade do seu trabalho – são raros os casamentos duradouros. A maior parte das estrelas tem atrás de si casamentos de pouca dura, divórcios e vários casos amorosos.
Nesta situação extremamente volátil é compreensível a aversão aos valores conservadores. Apoiantes dos republicanos como Arnold Schwarzenegger ou Mel Gibson são exemplos raros entre os actores de Hollywood.

Ao mesmo tempo este meio pouco numeroso mas de grandes posses é uma fonte preciosa de apoio financeiro e os activistas pró-aborto há muito que o perceberam. É conhecido de há muito o apoio significativo do magnata televisivo Ted Turner na realização de programas abortivos no mundo inteiro. Com o relatório da Talon News temos documentado pela primeira vez a participação activa de Hollywood na guerra contra a vida dos mais indefesos entre os seres humanos – as crianças ainda no ventre da mãe.




Notícias relacionadas


Scroll Up